(67) 99826-0686
PMCG Janeiro

Angel Magalhães, jovem que perdeu a perna em um acidente, mostra como superar as surpresas da vida

Superação

25 OUT 2013
Marithê Lopes
10h00min
Foto: Arquivo Pessoal.

Angel Magalhães, dona do Vlog da Mini, o canal com mais de 52 mil visualizações no Youtube, já é de domínio público. Há quatro meses faz parte da vida de muita gente, de diferentes formas. Cada um, à sua maneira, estabelece um contato íntimo com ela.  

 

A jovem que com 19 anos sofreu um acidente de moto em Campo Grande, em abril deste ano, e teve que amputar a perna direita e dois meses depois do acidente decidiu criar o Vlog da Mini, uma forma que encontrou para mostrar às pessoas que Angel perdeu a perna e dispensa que sintam pena dela pelo ocorrido. “O Vlog é fundamental pra mim, me ajudou muito e mostra não só que eu sou forte, mas muitos deficientes também. A deficiência é uma diferença, mas não é motivo para se ter pena, não somos coitados e faço questão de frisar isso nos meus vídeos”, afirma Angel que apelidou o cotoco da perna amputada de Mini.

 

A campo-grandense passou a enxergar a vida com outros olhos, começou a se doar para a sua própria realidade e aprendeu a valorizar o que despercebia antes do acidente. Doação, o dicionário diz que significa aceitação, legalização e escolha. Definição fria e meramente formal. Mas, não existem formalidades na vida. E, também, não existem escolhas. O destino bate, e a única saída é abrir a porta para viver. ”Eu não fiquei inconsciente em momento nenhum do acidente, recebi a notícia que teria que amputar minha perna na sala de cirurgia, fiquei muito abalada, implorei pra que não amputassem, mas não teve jeito mesmo, fiquei muito triste nos primeiros dias, meus psicólogos foram minha família e meus amigos que estiveram sempre ao meu lado”, comenta.

 

Valorizar a vida

“Antes do acidente eu era uma pessoa que sempre estava reclamando, reclamava da falta do tempo e quando tinha, reclamava de tédio; reclamava de não ver aos amigos e quando via sempre achava um defeito. Eu não prestava atenção nas coisas e no quanto a gente perde tempo sem olhar detalhes. Eu agradeço muito o fato de poder acordar todos os dias e conviver com pessoas que eu amo e que me amam. Desperdiçamos tanto tempo com bobeiras e reclamações, hoje em dia tento aproveitar o máximo possível o que tem ao meu redor e a companhia das pessoas”.

 

Seis meses depois do acidente Angel já se recuperou bem do quadril, que também foi prejudicado no acidente, e começou com a fisioterapia própria para a prótese e até fevereiro de 2014 já estará apta a usar uma prótese.

 

“Eu pretendo voltar a estudar e trabalhar o quanto antes, e poder mostrar para as pessoas através do Vlolg da Mini que quando se tem uma diferença você não deve se sentir mal e ficar com autopiedade, e sim pegar a sua diferença e usá-la pra fazer a diferença no seu mundo, mostrar que ser deficiente tem suas dificuldades sim, mas quem não tem dificuldades? Podemos viver muito bem, fazer tudo, o corpo não é limite, o limite é a mente”, explica.

 

Lição de vida

A sociedade atual vive num universo de valores invertidos e não percebe quando estão valorizando coisas supérfluas. “Quando você corre o risco de nunca mais ver as pessoas que ama e de nunca mais poder desfrutar de atividades que você gosta, aí você começa a dar valor nas coisas e na vida. Vivemos numa sociedade tão acelerada que deixamos de sentir, de viver, ficamos apenas existindo numa correria desenfreada. Aprendi que o certo é valorizar as pessoas que estão ao meu lado sempre. Coisas materiais, são boas, mas não são o principal. Reajustei minhas prioridades e conceitos. Quando você sorri pra vida, ela sorri de volta”, aconselha Angel Magalhães que perdeu uma perna, porém continua com o seu sorriso intacto apenas mais intenso.

 

Foto: Arquivo Pessoal.
Foto: Arquivo Pessoal.
Foto: Arquivo Pessoal.Foto: Arquivo Pessoal.Foto: Arquivo Pessoal.

Veja também