zé ramalho
RACIONAIS
(67) 99826-0686

Com 'apenas' meia semana com a filha, pai solteiro mostra valor do amor e dedicação à Malu

Maria Luiza é filha de Higor Crespo, com quem mora metade da semana

13 AGO 2017
Bruna Vasconcelos
07h30min
Malu e Higor são inseparáveis Foto: Arquivo Pessoal

Que a participação ativa do pai na vida de um filho é fundamental para o desenvolvimento do ser humano não é segredo para ninguém. Por este motivo, pais solteiros têm optado cada dia mais pela guarda compartilhada da criança. O método possibilita que pai e mãe tenham responsabilidades iguais em relação ao desenvolvimento de caráter, educação e saúde do filho.

Maria Luiza tem apenas quatro anos, mas é a companheira inseparável do pai Higor Crespo. A menina passa metade da semana com Higor e a outra com a mãe. Essa foi a forma encontrada pelo casal que,  após a separação, entraram em consenso sobre o que era melhor para Malu, como é chamada.

“A guarda compartilhada sempre foi um pensamento meu porque eu quis ser presente o máximo possível na vida da minha filha. Foi a forma mais correta que eu encontrei já que o relacionamento não ia seguir em frente”

Notebook, tênis de corrida, camisa social e papéis de trabalho dividem espaço com bonecas, livros de colorir e laços de cabelo na sala de casa do Higor. Ali é onde Maria Luiza se sente à vontade e passa a maior parte do tempo com seu progenitor. A rotina de baladas deu lugar a tardes no parquinho e noites vendo desenho infantil. Sobre a mudança drástica, o pai afirma que hoje em dia a prioridade é atender as necessidades da menina, proporcionando melhor educação e tendo um bom relacionamento com a mãe da Malu, minimizando qualquer impacto negativo que possa haver por ela não ter mais os dois juntos.

Sobre os pais estarem cada dia mais presentes e ativos na vida dos filhos, Higor acredita que isso é herança da geração passada. Para ele, os jovens da década de 70, 80 sentiram falta da figura paterna na criação.

“Infelizmente os pais de antigamente se preocupavam mais em serem apenas provedores, deixando um cargo maior para as mães. Eu não tive meu pai presente depois da separação e sinto falta até hoje. Eu tento suprir isso na minha filha.”

Os dias de pai e filha são o que deveria ser corriqueiro em qualquer família. Maria Luiza vai até a escola e depois o pai vai buscar. Eles fazem as atividades escolares e depois é tempo de brincar. O sorriso no rosto da menina entrega que aquela é a melhor parte do dia: A hora em que ela e o pai trocam confidências e experiências. Isso se repete “dia sim e dia não” que é quando Higor está com a criança.  

Crespo ainda acredita que suas atitudes só geram benefícios para a criança e diz que ser pai solteiro é um aprendizado diário. Após o nascimento da filha, até a vida amorosa sofreu mudanças. Ele conta que hoje em dia se preocupa muito mais com quem vai se relacionar para que a prevalência seja sempre da Malu.

“A pessoa que quiser ficar comigo tem que aceitar minha filha porque meu amor por ela é incondicional e nunca será trocada por alguém”. 

Veja também