re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Evento da prefeitura termina em bate-boca entre secretária e conselheiro

Conselheiro diz que prefeitura deu calote em entidade; secretária de Turismo nega

28 NOV 2016
Thiago de Souza
17h04min
Dharleng Campos e Paulo Hans discutem sobre City Tour Foto: André de Abreu

Um bate-boca sobre o descaso da prefeitura de Campo Grande, em relação à manutenção do City Tour, esquentou a cerimônia de posse dos novos membros do Comtur (Conselho Municipal de Turismo), na tarde desta segunda-feira (28), em Campo Grande. 

Bastante esvaziada, sem a presença da maioria dos seus novos membros,  no gabinete da Esplanada da Prefeitura Municipal, e com a ausência do prefeito Alcides Bernal (PP) a solenidade começou com a fala da secretária Municipal de Desenvolvimento  Econômico, Turismo, Ciência e Tecnologia e Agronegócio, Dharleng Campos (PP). A titular da Sedesc  justificou a falta de empenho no turismo local por conta, segundo ela, do 'golpe' que retirou o prefeito Alcides Bernal do cargo, em março de 2014. 

Após a fala de Dharleng, que citou que recebeu o City Tour das mãos da gestão de Gilmar Olarte (PROS), todo sucateado, com o piso superior afundado e atingido por um incêndio, o atual conselheiro, Paulo Roberto Hans, que representa a entidade Campo Grande Convention e Visitors Bureal,  pediu a palavra e contestou as informações prestadas pela secretária. 

''Acho que as palavras tem que ser medidas. Nós pegamos o City Tour em péssimas condições e investimos R$ 70 mil na recuperação dele com a promessa que a prefeitura iria repor isso, mas até agora nada'', relatou Hans. 

Hans, que foi presidente do Contur, falou que a prefeitura não cumpriu os pagamentos de nenhum dos dois convênios com o Bureau e disse que a prefeitura deveria ter pago seus compromissos. Ele acrescentou que o ônibus foi sucateado por falta de manutenção, que seria dever da gestão Bernal.''Nós [Convention e Visitors Bureau] estamos com uma dívida de R$ 160 mil na praça, em meu nome e no nome do presidente da Fundação 26 de Agosto, por conta que carregamos o City Tour 'nas costas''', reclamou.  

''Me desculpe, mas essa gestão, esses quatro anos de governo conseguiram acabar com o turismo em Campo Grande'', desabafou Hans.

Dharleng então retomou a palavra e justificou a ausência de investimentos no setor por conta da crise financeira atribuída a gestão Gilmar Olarte,  e ainda pôs em dúvida as palavras de Hans, dizendo que havia notas fiscais na secretaria que provavam o pagamento dos convênios.''Se esse pagamento não entrou no Bureau, se isso não foi mostrado lá, eu sinto muito'', respondeu Dharleng.  

Após o 'debate', depois do evento, os dois se aproximaram e conversaram de forma mais amistosa e combinaram de discutir mais assuntos na secretaria de Turismo e na posse da mesa diretora do Comtur.  

 

 

 

 

Veja também