Sicredi
ASSBMS
(67) 99826-0686

Marquinhos vai parcelar dívida de outras gestões com a Solurb

Solurb negou acusações de que teria recebido R$ 120 milhões a mais da prefeitura

7 JAN 2017
Airton Raes
13h30min
Foto: Geovanni Gomes

O prefeito de Campo Grande, Marcos Marcello Trad (PSD), afirmou que a Solurb apresentou a existência de débitos anteriores e que as duas partes vão chegar em um acordo sobre o pagamento parcelado. O chefe do Executivo e representantes da Solurb ainda rebateram acusações do ex-prefeito Alcides Bernal (PP), em relação aos supostos pagamentos a mais que a empresa teria recebido, no valor de R$ 120 milhões.

Nesta semana, representantes da Solurb solicitaram reunião com o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, para conversar sobre a retomada dos serviços, após a decisão do Tribunal de Contas do Estado que retomou o contrato entre a empresa e a prefeitura.

Marquinhos explicou que, durante a reunião, a Solurb apresentou que existem despesas em relação a serviços que foram prestados em gestões anteriores, mas que não foram pagas. “São valores que passam de milhões de reais. Vamos levantar o valor exato e vamos propor o parcelamento desses débitos para que possamos ter uma prestação regular dos serviços”, afirmou.

O advogado representando a Solurb, Márcio Torres, afirmou que uma decisão judicial de uma ação transitada e julgada determinou que 20% dos repasses constitucionais que a prefeitura de Campo Grande recebe do Estado e da União sejam usados para pagar os débitos pelos serviços prestados pela empresa. Os valores mensais variam entre R$ 6 milhões e R$ 8 milhões.

Sobre as alegações do ex-prefeito Alcides Bernal de que a prefeitura repassou R$ 120 milhões a mais do que deveria para a Solurb, os representantes da empresa afirmaram que o ex-prefeito faltou com a verdade. “São alegações fruto da maldade da antiga gestão. Foram depositados judicialmente cerca de R$ 7 milhões por mês nos últimos 14 meses. Essa conta do Bernal não fecha. Se tivéssemos recebidos R$ 120 milhões a mais, Bernal deveria estar presos e nós também”, afirmou Torres.   

Veja também