TJMS - Setembro
(67) 99826-0686

Moradores realizam obras sem supervisão no Bom Retiro e temem multa; Emha nega cobrança

Eles alegam que homens deram continuidade à construção para agilizar a obra; prefeitura diz que moradores perderam garantias

15 JUL 2018
Dany Nascimento
07h00min
Foto: Dany Nascimento

O clima entre moradores do reassentamento Bom Retiro, em Campo Grande, é de felicidade, mas com aquele medo rondado, já que muitas famílias acabaram dando continuidade à obra para a construção das casas enquanto a prefeitura mantinha o serviço paralisado.

Rosana Duarte de Oliveira, 30 anos, afirma que como a prefeitura deixou a obra parada por diversos meses, o marido acabou dando continuidade à construção e agora a família teme ser penalizada por dar continuidade ao sonho. “Moramos em barracos, meu marido trabalha no fim de semana construindo as casas, queremos muito deixar de morar em barracos, é complicada a nossa situação”.

Segundo a moradora, durante uma reunião, técnicos da prefeitura teriam informado que aqueles que deram continuidade aos trabalhos sem a presença da equipe da prefeitura seriam multados. “Eles falaram que quem mexeu levaria multa. Estamos felizes que os trabalhos voltaram, mas estamos com medo de receber multa. Não temos condições de pagar multa, ainda mais que fizemos isso para melhorar a vida dos nossos filhos”.

Ela alega que o barraco onde mora já desabou na cabeça dos filhos. “Em um dia de chuva, o barraco caiu. A minha sorte foi que bem na hora, meus dois filhos tinham saído em direção da cozinha do barraco e por isso não aconteceu nada com eles”.

Gabriela Barbosa, 27 anos, que também reside em um barraco de madeira e lona no local, disse ao TopMídiaNews que o marido também deu continuidade aos trabalhos de construção. “Ele foi trabalhando porque precisamos ter uma casa. A obra ficou muitos meses paralisada, a prefeitura tem que reconhecer que estamos lutando para ter a nossa casa. Mexemos porque queremos mudar o mais rápido possível para a casa e não porque queremos desobedecer as ordens do prefeito”.

Prefeitura

O TopMídiaNews entrou em contato com a prefeitura, que informou através da Emha (Agência Municipal de Habitação), que não será emitida nenhum tipo de multa aos moradores, mas a agência não deve se responsabilizar pela qualidade da obra, já que existe um projeto arquitetônico a ser seguido.

“Não haverá nenhum tipo de multa, punição ou represália. A Prefeitura apenas não pode se responsabilizar pela obra, pois os moradores do reassentamento no Bom Retiro tomaram a decisão de iniciar as obras em suas moradias por conta própria, ou seja, não obedeceram ao projeto arquitetônico criado para o empreendimento e, dessa maneira, não estão recebendo orientação tampouco acompanhamento dos técnicos da EMHA e Funsat”, disse a prefeitura.

Conforme a Emha, aqueles que deram continuidade a obra serão os responsáveis caso ocorra algum problema no imóvel. “A responsabilidade técnica e legal sobre esses imóveis fica a cargo dos moradores que decidiram, à revelia do projeto Ação Casa Pronta, tocas as obras de maneira autônoma”.

Veja também