informe leilão
dr. hernia
(67) 99826-0686

Seguro criado em Campo Grande dispensa exigência do fiador e facilita locação de imóveis

Nessa modalidade, dono do imóvel não se envolve em ações de despejo e outros processos

12 FEV 2017
Thiago de Souza
15h15min
JPC Net

Conseguir um fiador na hora de local um imóvel nem sempre é uma tarefa fácil e muitas vezes termina em constrangimento e processo judicial. Uma alternativa para donos de imóveis e imobiliárias para destravar o mercado é a adesão a um seguro, criado na Capital, que dá ao locador a segurança de receber o valor do aluguel até o final do contrato. 

O seguro fiança já existia no mercado, mas a novidade, criada por uma corretora de seguros de Campo Grande, é que o custo do seguro fica por conta do locador e não mais do inquilino, que já vem ‘apertado’ por conta da mudança de casa e muitas vezes de cidade. ''No seguro fiança tradicional cobrava-se em torno de dois aluguéis do inquilino, o que é inviável'', explicou a gerente comercial Jakelyne Souza Nazareth. 

Jakelyne explica que o seguro é grátis para o inquilino

Segundo a corretora, essa nova modalidade chamada de Seguro Fiança Grátis traz agilidade no fechamento de contratos e basta ao inquilino passar por uma análise de crédito e claro, não ter restrições.  

Adalberto Luiz Lorençone, diretor comercial da corretora explicou que a procura por um fiador sempre foi um problema na hora de alugar um imóvel e ficou maior em tempos de crise.

''Quem que no cenário desse, tão conturbado, quem vai ser fiador? Como é que vai ser fiador?, por isso o seguro fiança é uma tendência mundial'', projetou.  

Ainda sobre a figura do fiador, o outro diretor comercial da empresa, Valter Francisco Rohde disse que, mesmo que o inquilino consiga um fiador, o proprietário do imóvel não tem garantias plenas de que vai receber o valor em caso de inadimplência. ''O fiador, após um determinado tempo de contrato pode se desonerar e dizer 'daqui a 120 dias eu não quero mais ser fiador', aí ele pode ser excluído do contrato e o dono do imóvel vai ficar com a locação sem garantia nenhuma'', destacou.

Rohde disse também que no modelo tradicional de fiador, a imobiliária exige que a pessoa tenha um, e na maioria das vezes dois imóveis no seu nome, livres, ''só que esses dois imóveis, quando constitui-se a garantia de fiador, ele não é averbado na matrícula do imóvel, ou seja, amanhã esse fiador vende esses dois imóveis e vira um fiador sem patrimônio nenhum''.

Valter diz que fiador para locação de imóveis está em desuso

Lançado oficialmente em novembro do ano passado, o seguro também traz ao locador a garantia que o imóvel será devolvido da mesma forma que ele entregou, pois há cobertura de pintura interna, externa, além de danos ao imóvel. Dentro desse seguro, o inquilino recebe assistência grátis, como chaveiro, reparos elétricos, hidráulicos e entre outros,  cobertura na mão de obra de consertos da chamada 'linha branca'. O seguro, segundo os idealizadores, teve grande aceitação assim que foi anunciado. ''Crescemos 97% em dezembro e 73% em janeiro'', afirmou Adalberto. Ele finaliza dizendo que os valores dos aluguéis que são cobertos por essa modalidade de seguro vai de R$ 150 até R$ 25 mil. 

Se o inquilino ficar inadimplente, esse problema será resolvido entre ele e a seguradora, o que traz alívio ao proprietário do imóvel por não mais ter de se envolver em ações de despejo e cobrança judicial. Sobre o valor do seguro, segundo a empresa, na modalidade tradicional o preço era alto, mas com o crescimento do produto através do Projeto Seguro Fiança Grátis, o custo foi reduzido e a tendência é que se mantenha desta forma bem mais acessível.

Para o presidente do Secovi-MS (Sindicato da Habitação de MS), Marcos Augusto Netto, o produto Aluguel Sem Fiador está em teste no mercado, por isso não é possível dimensionar o impacto no mercado. ''O que importa é que chegamos a um ponto de equilíbrio entre as imobiliárias, donos de imóveis e a seguradora. Cada uma tem suas responsabilidades e livra o inquilino de qualquer ônus'', destacou.

Netto destacou ainda que um dos entraves para as imobiliárias e seguradoras é a algum tipo de restrição no nome do inquilino ''e isso precisa melhorar''.  A taxa de inadimplência na área de locação de imóveis  gira em torno de 8% atualmente.

 

 

 

Veja também