TJMS
re9
(67) 99826-0686

Cidades campeãs em qualidade de vida mostram que interior é protagonista do crescimento de MS

Das praças aos prédios, do algodão à celulose, municípios têm maneiras diferentes de se desenvolver

11 OUT 2016
Amanda Amaral
18h00min
Foto: Prefeitura de Três Lagoas

Com trinta e nove anos de história e personalidade própria, Mato Grosso do Sul aparece em listas de melhores destinos turísticos, desenvolvimento do agronegócio e também entre os lugares com melhor qualidade de vida, ainda que com pequena representatividade. Entre os 100 municípios com melhor qualidade de vida do Brasil, figuram apenas dois sul-mato-grossenses, ambos do interior do Estado.

Conforme o ranking nacional 2015 da IFDM (Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal) promovido pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), os municípios de Costa Rica e Três Lagoas obtiveram os melhores resultados entre os 78 municípios de MS pesquisados. A mais nova cidade do Estado, Paraíso das Águas, ficou de fora do levantamento. Campo Grande, por sua vez, só aparece na lista geral em 277º lugar e em 7º na lista das Capitais. No ranking estadual, a Cidade Morena aparece somente em 3º lugar.

O IFDM é um estudo que acompanha anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os mais de cinco mil municípios brasileiros em três áreas de atuação: emprego e renda, educação e saúde. Criado em 2008, ele é feito, exclusivamente, com base em estatísticas públicas oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde. A edição de 2015 foi feita através dos registros oficiais de 2013, últimos disponíveis.

Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari, em Costa Rica. Foto: Prefeitura de Costa Rica

Com apenas 19.695 habitantes, de acordo com levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com dados de 2010, Costa Rica é considerada a capital estadual do algodão e do turismo de aventura. Com parques que possibilitam contato direto com a natureza, o município é a escolha de quem procura por paisagens calmas e um destino de passeio diferente de outros mais populares. Nas ruas da cidade, a calmaria típica de interior nas praças, lanchonetes e sorveterias.

Em Três Lagoas, terceiro maior município de Mato Grosso do Sul, o cenário muda e apresenta uma cidade em pleno crescimento. Os novos prédios e casas se espalharam pelo local nos últimos anos, acompanhando o ritmo de crescimento da indústria de celulose. No último senso do IBGE, havia 101.791 habitantes.

Centro de Três Lagoas. Foto: Prefeitura de Três Lagoas.

MS, Brasil

Mato Grosso do Sul tem o tamanho da Alemanha, mas não chega perto em número de habitantes. Enquanto o país europeu tem 80,6 milhões de pessoas vivendo em suas terras, MS tem apenas 2,6 milhões, sendo o 21º Estado mais populoso do Brasil.

Na pesquisa da Firjan, os demais municípios do jovem Estado apresentaram um quadro socioeconômico superior ao observado para o Brasil. Enquanto no país 68,1% dos municípios tiveram desenvolvimento alto ou moderado, no Mato Grosso do Sul esse percentual foi de 85,9% - 67 dos 78 municípios, ante 84,6% no ano anterior.

Entre os 10 maiores IFDMs de MS, os municípios apresentaram no mínimo grau de desenvolvimento moderado nas vertentes de emprego, renda e educação, e alto em saúde (com exceção de Chapadão do Sul). O município de Costa Rica, que na medição anterior estava na 11ª posição estadual, assumiu a liderança do Estado com avanços em todas as vertentes, com destaque para o crescimento de 21,5% em emprego e renda.

Embora Três Lagoas e a Capital tenham avançado no IFDM, cada um retrocedeu uma posição em relação ao ranking de 2014, em função do avanço do 1º colocado no último levantamento. Dourados e Corumbá, duas das cidades mais populosas do Estado, ficaram, respectivamente, no 11º e 42º na tabela estadual.

No outro extremo do ranking estadual, oito municípios permaneceram entre os 10 menores IFDMs do estado em relação à medição anterior: Sete Quedas, Ladário, Antônio João, Coronel Sapucaia, Aral Moreira, Japorã, Paranhos e Tacuru. Os únicos recuos observados no grupo dos 10 menores foram exatamente daqueles que ingressaram na lista: Nioaque e Santa Rita do Pardo, movimentos explicados principalmente pela queda do índice de emprego e renda.

Confira abaixo o ranking estadual:

Melhores índices de MS

1º Costa Rica

2º Três Lagoas

3º Campo Grande

4º São Gabriel do Oeste

5º Naviraí

6º Rio Brilhante

7º Jateí

8º Chapadão do Sul

9º Rochedo

10º Aparecida do Taboado 

Veja também