TJMS
re9
(67) 99826-0686

De moeda em moeda, crianças aprendem a economizar e compram próprios presentes

Juntando dinheiro em um cofrinho, os filhos de Renata e Wesley aprendem a administrar as finanças desde cedo

12 OUT 2016
Anna Gomes
15h15min
Foto: Reprodução

Com o passar dos anos é natural deixar de comemorar o dia das crianças, mas lembranças dos anos em que a data foi comemorada deixarão sempre uma ótima lembrança para toda vida. Quando chega o dia tão esperado pelos pequeninos, logo surgem dúvidas nas cabeças dos pais. Qual brinquedo comprar? Onde passear? Será que ainda é criança para ganhar presente? São várias indecisões, mas e quando o tal brinquedo custa caro?

Eram essas algumas das dúvidas do casal Renata Pereira Siqueira, 36, e Wesley de Almeida, 39, que estavam cansados dos filhos de 11 e 8 anos ficarem pedindo todos os brinquedos que assistiam nos comerciais infantis. Foi neste momento, que os pais resolveram fazer uma proposta para as crianças, já que gostariam de ganhar os presentes caros, eles iriam precisar 'ralar' para conseguirem.

"Passava uma propaganda de um brinquedo e eles nos pediam. Os pedidos são caros, ainda mais no nosso caso que precisamos comprar dois presentes de uma vez só", destacou a mãe.

O 'combinado familiar' seria os filhos juntarem dinheiro em um cofrinho e, no dia das crianças, comprarem o presente que eles quisessem. "Fazemos isso há três anos, pois queríamos mostrar que dinheiro não nasce em árvore e que, quando queremos algo, precisamos nos esforçar para conseguir o que desejamos", afirma o pai.

De moeda em moeda, entre uma nota e outra que os pais forneciam as crianças, com o passar do tempo o cofrinho ficou bem 'recheado'. Juntando as duas 'poupanças' os pequeninos juntaram mais de R$ 200.

"Combinamos que pegaríamos o dinheiro e iríamos comprar os presentes. No ano passado, conseguimos comprar os dois e ainda sobrou um dinheirinho para o sorvete", lembrou a mãe.

Veja também