FAPEC
Assembleia a  04 a 18/12
(67) 99826-0686
Word Wine - almoco japones

Após barrar reajuste do Flex Park, prefeito pode reavaliar preço do serviço em setembro

Marquinhos admitiu que pode mudar de ideia se a empresa investir em tecnologia a favor dos cidadãos

5 AGO 2017
Rodson Willyams
13h15min
Foto: Wesley Ortiz / Arquivo

O prefeito Marquinhos Trad, do PSD, afirma que não viu nenhum 'desequilíbrio econômico-financeiro e nem melhorias para o cidadão', que justificassem o reajuste em R$ 0,40 por hora no valor do parquímetro para a empresa Flex Park, responsável pelo serviço em Campo Grande. No entanto, poderá reavaliar o valor a partir de setembro, quando a empresa investirá em novas formas de pagamento do estacionamento.

Em setembro, a empresa deve lançar um aplicativo que vai oferecer à população mais comodidade e rapidez na compra de créditos pelo celular de horas de estacionamento, que ficará disponível nas plataformas Android e IOS, na GooglePlay e AppStore, e também pelo site da Flex Park.

Marquinhos que disse que até lá "poderá mudar de ideia" sobre o caso, uma vez que diretores da empresa já teriam manifestado o interesse de iniciar uma nova rodada de negociações sobre o reajuste no valor da Flex Park, que hoje custa R$ 2 a hora.

O prefeito havia vetado a aprovação de R$ 0,40, por hora, feita pelos conselheiros da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg). Segundo ele, o campo-grandense não é contra a possibilidade de aumento no valor do serviço em R$ 0,20 a R$ 0,30 centavos, mas precisa de um serviço melhor. "A população até aceita pagar, mas quer melhoria, desde que traga benefícios para o cidadão".

O chefe do Executivo disse ainda que está previsto no contrato que o município reponha pelo menos o valor da inflação. "Mas não vi nenhum desequilíbrio econômico-financeiro e nem melhorias para o cidadão". No entanto, Marquinhos destaca que se a empresa desejar, poder reclamar na Justiça.

"Nada impede de ir à Justiça. Não é uma questão de ameaça, mas de direito. Tem contrato e eles se apegaram a uma cláusula. Mas o cidadão também não pode ser onerado sem ter benefícios", comentou. 

Veja também