(67) 99826-0686
PMCG Novembro

Para não desistir de sonho olímpico, atleta corumbaense vende pavê nas ruas da cidade

Breno está entre os três melhores atletas na modalidade de corrida de rua da região

14 SET 2018
Diário On-line
14h14min
Foto: Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

A expressão “correr atrás do sonho” faz todo o sentido para o jovem corumbaense Breno Vítor Salvatierra, de 16 anos. Exemplo de perseverança, ele descobriu o atletismo há quatro anos através de um projeto desenvolvido no bairro Centro América pelo atleta Marcos Francisco Pereira da Silva, o “Baianinho”, e seu atual treinador, José Venino.

Breno está entre os três melhores atletas na modalidade de corrida de rua da região, concorrendo com atletas de todas as idades. Mas, o jovem que acumula pódios, troféus e medalhas, vive a realidade dos inúmeros talentos do esporte no denominado “País do futebol”: a falta de patrocínio.

Cansado de ouvir não, Breno decidiu agir por conta própria e com ajuda de pessoas próximas têm realizado diversas atividades para custear o treinamento e sua participação em competições. Inscrito em uma corrida de nível nacional que vai acontecer no dia 18 de novembro, ele conta com a ajuda da vizinha, a comerciante Patrícia Figueiredo, de 27 anos, para levantar os cerca de R$ 1.500 necessários para concorrer. Como deve ficar na casa de uma tia, Breno precisa de recursos para inscrição, passagens e aquisição de materiais esportivos.

Nos últimos meses, para atingir a meta, ele deixa de lado o descanso após os treinamentos e percorre as ruas da cidade vendendo pavê em companhia da vizinha. “Nesse momento não tenho apoio de nenhuma empresa ou órgão público, mas sempre estou tentando. Dá uma tristeza ouvir sempre não, mas enfim, vendo camisa, pavê, trufa, dou meu jeito. Dessa forma consegui levantar R$ 200, falta bastante, mas vou conseguir”, contou Breno ao Diário Corumbaense.

“Ele é um menino esforçado, no começo não tinha ninguém, depois ele saiu para vender e começou a conhecer algumas pessoas que o ajudam. Ainda não é suficiente, mas a gente faz com satisfação para que ele consiga divulgar nossa cidade e realize o sonho dele”, disse Patrícia, que faz os doces e leva o jovem até os restaurantes da cidade para que os comercialize.

Mesmo destacando  falta de incentivo ao esporte e as inúmeras dificuldades que os praticantes do atletismo enfrentam, Breno afirma que o sonho olímpico é o objetivo. “Acho que esse fanatismo do brasileiro pelo futebol acaba deixando de lado os outros esportes, principalmente em cidades pequenas. Corumbá, por exemplo, não conta com nenhuma pista que ofereça condições, a única oficial de 400 metros é a do Exército que é feita de minério. Meu objetivo é chegar em uma olimpíada, um mundial. É decepcionante ver que o Brasil acabou de sediar uma olimpíada e o esporte não tem incentivo, mas é a luta, o jeito é correr atrás”, finalizou.

Os interessados em conhecer mais a trajetória de Breno no atletismo para possível apoio pode ligar no telefone (67) 9 9800-8704.

Funec

O Diário Corumbaense entrou em contato com o diretor-presidente da Fundação de Esporte de Corumbá (Funec), Silvino Rodrigues Ribeiro, que informou sobre a necessidade de medidas legais para atender os atletas em competições fora da região, como licitação das passagens. Ele se mostrou disposto a receber Breno na próxima semana para saber as demandas do atleta e verificar a possibilidade de auxílio ao jovem para a competição de novembro.

 

Veja também