(67) 99826-0686
Campo Grande Bem Melhor IV

Reconstrução de rodovia que 'esfarelou' ficará pronta em agosto

‘Rodovia da pecuária’, obra entregue em 2013 precisa ser refeita

17 MAI 2018
Notícias MS
11h48min
Foto: Chico Ribeiro/Notícias MS

Entregue no fim de 2013, a rodovia MS-436, entre Camapuã e Figueirão, “esfarelou” e está sendo refeita desde o começo deste ano. A reconstrução, de acordo com a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), será concluída em meados de agosto. E o governador Reinaldo Azambuja, que cumpriu agenda em Camapuã nessa quarta-feira (16.5), explicou que a nova obra foi construída para durar, pelo menos, 10 anos.

“Estamos recuperando inúmeras rodovias. A rodovia que liga Camapuã / Figueirão, a MS-436, foi entregue no fim de 2013. E vocês que passam por ali viram que a parte da serra deteriorou, destruiu tudo. É por isso que não dá para contratar uma obra sem fazer projeto executivo, para olhar a profundidade do lençol freático. É uma obra nova e hoje nós estamos gastando duas vezes o dinheiro porque quando fizeram o projeto não tiveram preocupação de fazer bem feito. Nós temos que ter respeito pelo dinheiro público”, afirmou.

Para que as obras tenham maior durabilidade, a atual gestão estadual está usando uma nova concepção de engenharia, que prima pela qualidade técnica, em especial de infraestrutura.

A rodovia MS-436 é importante para o transporte de gado da região. Quem passa por lá explica que a obra é necessária e urgente. Laerte Faria, 49 anos, trabalha há 10 anos como caminhoneiro e explicou que a melhoria é um anseio de produtores e trabalhadores rurais. “Eu sempre passo por aqui e há quase um ano que a condição está muito ruim. Acredito que agora vai ficar muito bom”, diz.

Joel de Oliveira, 29 anos, passa uma vez por mês pela MS-436 a trabalho. “Está perigoso. Aqui tem muito fluxo de caminhão e como não tem acostamento, quando a rodovia está ruim você fica sem opção e cai no buraco”.

O pecuarista Devanir de Oliveira Alcantra, 44 anos, já trocou três vezes o para-brisa da caminhonete. Vai precisar trocar de novo. É que com a rodovia desmanchando, pedaços do asfalto e pedra que ficam soltos na pista acabam “voando” em direção ao veículo. “Desisti de trocar o vidro. Olha só os buracos. Toda hora tem que deixar na oficina”, afirmou.  

Dilson Moraes, 40 anos, também é dono de uma propriedade rural em Camapuã. Ele destacou a necessidade de recuperar a rodovia. “Temos que fazer balanceamento e alinhamento direto nos veículos. Está precisando mesmo refazer essa rodovia”.

Veja também