(67) 99826-0686

Rede estadual terá duas paralisações para reivindicar direitos ao governo do Estado

A decisão de parar as atividades no dia 24 e 30 de maio foi definida em assembleia geral pela categoria

19 MAI 2017
Dany Nascimento
08h26min
Foto: FETEMS

Duas paralisações devem acontecer até o final do mês, nas escolas estaduais de Mato Grosso do Sul. A decisão foi deliberada em Assembleia Geral, realizada ontem (18), pela FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul). Os trabalhadores da educação confirmaram uma paralisação estadual para o dia 24 de maio, para participar do Ocupa Brasília e outra para o dia 30 de maio.

O presidente da FETEMS, Roberto Magno Botareli Cesar afirmou que os trabalhadores devem cruzar os braços no dia 30 de maio, por conta do não reajuste salarial de 7,64%, desde janeiro, referente ao Piso Nacional e pela falta de política concreta de valorização dos administrativos em educação.

“As questões salariais que estamos negociando com o Governo do Estado desde o início do ano farão com que nós paralisemos as nossas atividades no dia 30 e vamos realizar um grande ato em Campo Grande cobrando os nossos direitos e valorização”, disse Botareli.

A vice-presidente da FETEMS, Sueli Veiga Melo, destaca que não aguenta mais a postura da administração do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que "não honra com as legislações vigentes". “Ontem os deputados aprovaram o Projeto de Lei (PL) 060/2017, de autoria da Secretaria de Educação, que concede Gratificação de Dedicação Plena e Integral de 15% aos professores docentes e coordenadores pedagógicos das escolas estaduais inseridas no Programa de Educação em Tempo Integral, denominado Escola da Autoria. Como vamos aceitar um Governo que está propondo pagar uma gratificação de 15% a uma parcela de professores, cerca de 200 e até o momento não cumpriu o pagamento do reajuste do Piso Salarial Nacional de Janeiro, de 7,64%, garantido pela legislação nacional n° 11.738, de 16 de julho de 2008 e pela lei complementar estadual nº 200, de 13 de julho de 2015 e também não incorporou o abano de R$ 200 dos administrativos em educação, promessa feita a categoria ano passado?”.

Para o secretário dos funcionários administrativos da FETEMS, Wilds Ovando, o momento é de união e luta. “Somos todos trabalhadores em educação, unificados em um só estatuto e a FETEMS sabe bem as angustias dos administrativos em educação que estão no aguardo da incorporação e do seu reajuste, por isso vamos à luta unidos, pois dessa maneira somos bem mais fortes. Vamos batalhar pela incorporação do abono e por um reajuste digno”.

Outras pautas

Seguindo a orientação da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação), a FETEMS deliberou que estará com 18 ônibus, somando nos 40 que devem sair de MS, para reforça em massa o ato Ocupa Brasília, dia 24 de maio, que tem por objetivo rechaçar as antirreformas do governo ilegítimo, a Trabalhista e Previdenciária e exigir novas eleições diretas e depor o governo corrupto de Michel Temer.

Veja também