festival de reggae
erro medico
(67) 99826-0686
COLUNA

Top Pipoca com Pedroka

Por Pedro Martinez

It A Coisa: medão da p$#%@!...

Se ficar com medo é pior...

12 SET 2017
Pedro Martinez
12h21min

Amiguinhos e amiguinhas,
Finalmente o meu mais esperado dia de estréia chegou nos cinemas!

Não foi o dia da independência do Brasil, não; 7 de Setembro de 2017 foi a estréia de It: A Coisa, um dos clássicos de terror/horror de Stephen King, história que já teve sua versão cinematográfica em 1990.

E a espera VALEU MUITO a pena - apesar de me deixar uma noite sem dormir.

Essa nova versão veio com o diretor argentino Andy Muschietti, o mesmo de Mama, em 2013.

Um aviso pra quem assistiu o filme de 1990: a história se distancia daquela, mas carrega toda a essência aterrorizante e real do livro. E até o próprio autor aprovou o trabalho mais que positivamente. “Eu não estava preparado para o quão bom é. É diferente, mas, ao mesmo tempo, o público irá se identificar. As pessoas vão amar os personagens. E quando você gosta deles, os sustos funcionam".

Tudo se passa na década de 80, especificamente em 1984 na pequenina cidade do interior americano chamada Derry. O lugar vive atormentado pelo desaparecimento de crianças, provavelmente capturadas por uma criatura demoníaca que ronda o mundo há séculos, se alimentando de humanos com medo: Pennywise, o palhaço dançante.

A busca minuciosa e misteriosa do monstro, que especula-se aparecer a cada 27 anos, se inicia quando um pequeno garotinho, George, desaparece num dia de chuva ao brincar de barquinho pelo meio fio.

Depois de ver o filme você nunca mais brincará numa rua deserta próxima a um bueiro. E caso ouça uma voz macabra em tom brincalhão, CORRA!

O sumiço faz o irmão do garotinho, Bill (Jaeden Lieberher), juntar-se aos seus amigos do Clube dos Otários para tentar descobrir o que realmente aconteceu. Mas é uma turma especial, que Pennywise adora, que convivem com o medo diariamente, dentro e fora de casa. A patota possui todas as minorias: Ben um gordinho, Stanley um judeu, Ritchie um "quatro-olhos", Mike um negro, Eddie um hipocondríaco e Beverly uma garota taxada de sexualmente ativa. Todos têm medo do palhaço e começam a ter pesadelos com algo relacionado ao seus maiores terrores e sofrimentos costumeiros como bullying, racismo, estupro, intolerância religiosa e outras agressões.

E é justamente isso que o palhaço sintetiza no seu ser: o mundo é completamente hostil. Explorar o trauma e o medo é que dá significado a personificação de Pennywise. Ele é isso e pronto. Não precisamos saber sua origem, seus motivos, nem quais seus objetivos finais. Só sabemos que ele ama aterrorizar. Ele é perverso e contenta-se em deixar seus alvos em constante pavor ao invés de matá-los. Uma combinação de sedução e loucura. E o foco de sua ameaça é a amizade dos garotos.

Toda vez que It aparece cria uma tensão imensa no nosso peito. Nisso Bill Skarsgard merece todas as palmas do mundo pois traz a interpretação cheia de trejeitos nojentos e um olhar e sorrisos e risadas bastante macabros. O próprio ator confessou "morrer de medo" dele mesmo.

- Mas Pedroka? Poxa, então levarei sustos o tempo todo?! Pra que vou pagar pra ver isso?!

Não, relaxa. O longa intercala primordialmente sequências de terror muito intensas e assustadoras com alívios cômicos imediatos. E tudo isso com uma pitada de aventura estilo "Os Gonnies" e "Conta Comigo". Ah, e sem esquecer de um pouco de romancezinho no triângulo amoroso entre Bill, Ben (Jeremy Ray Taylor) e Beverly (Sophia Lillis).

It A Coisa vai além de ser uma obra prima do medo. Ele flutua em todos os gêneros, acerta em cheio em nos aproximar dos protagonistas e nos fazem envolver-nos numa jornada memorável. É um manifesto sobre a importância da amizade e a prova de que a inocência da infância é deixada pra trás quando nos deparamos com situações que expõe nossos medos. E é necessário nos levantarmos frente aos desafios por mais violentos e desestabilizadores que sejam.

E que venha 2019 logo, pra sequência do filme, agora com as crianças adultas!

5 pipocas!

Veja também