festival de reggae
erro medico
(67) 99826-0686

Acompanhado de Dona Florinda, ator conta com ajuda para espalhar arte pelo Brasil

Com destino final em Mato Grosso do Sul, Anderson e 'Dona Florinda' oferecem circo, cinema ambulante e biblioteca cultural

16 SET 2017
Dany Nascimento
15h15min
Foto: Arquivo Pessoal

Ele é ator, palhaço e produtor cultural e resolveu dividir sua arte cultural por diversos estados brasileiros, tendo Mato Grosso do Sul como destino final. Anderson Lima afirmou ao TopMídiaNews que, há dez anos atrás, começou a trabalhar com um grupo de teatro em Campo Grande e foi morar no Sul. Agora, acompanhado de ‘Dona Florinda’, uma Kombi 1973, o ator pega a estrada e oferece circo, cinema ambulante e biblioteca cultural para crianças e adultos de seis estados brasileiros.

“Resolvi dar uma andada pelo Brasil. Deixei o grupo de teatro que trabalhei por 10 anos aí em Campo Grande, o Flor e Espinho, e fui morar no Sul. Fiquei lá quatro meses e fui para São Paulo. Fiquei mais ou menos um ano por lá e vim fechar todas as regiões do Brasil aqui no Nordeste.  Agora quero voltar ao Mato Grosso do Sul para retomar um espetáculo com um parceiro que mora em Campo Grande e decidi fazer uma home na Kombi e seguir com apresentações. Agora eu montei um trabalho solo que posso fazer sozinho”, explica o palhaço.

Anderson pretende deixar a Paraíba rumo ao Pernambuco, depois  Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais e no final, Mato Grosso do Sul. “Estou transformando a Dona Florinda em uma casa, ela vai gerar energia própria, quero transformar ela em uma unidade cultural móvel. Vamos oferecer por esses estados apresentações de circo, cinema ambulante e mini biblioteca. Vou chegar no local, armar estrutura e realizar o projeto. Nos finais de semana, quero fazer roda de leitura para crianças e adultos. Levar material de filmagem e fotografia, saber sobre a cultura das cidades, conhecer o interior do Brasil mais de perto”.

O artista conta ainda com a ajuda daqueles que desejam incentivar ainda mais a atitude de Anderson e afirma que qualquer doação é de grande valia para que o projeto percorra o Brasil. “O Brasil passa por processo de crise, nunca foi tão eficiente na questão de fusão das artes, agora com Ministério da Cultura falido, é um desafio a ser cumprido. Peço contribuição com a vaquinha da forma que puder, se acha que a ideia é legal, divulgue nas redes sociais, queremos atingir meta para manter gasolina, minha alimentação e segurança para o caso de a dona Florinda quebrar. Quero levar a arte da palhaçaria, que congrega a união das pessoas, sempre refletindo para os problemas sociais que estão aí batendo na nossa porta”.

Gostou da atitude do produtor cultural? Então colabore com a ideia e faça a sua doação para que ele percorra ele chegue em Mato Grosso do Sul após espalhar cultura pelo país através da página do Kombinado no site catarse.  

Veja também