Corrida Cassems
studio center
(67) 99826-0686

Com foco nas relações e na intensidade, cinema francês é novamente atração no MIS

Serão exibidos filmes que retratam a pluralidade e a intensidade da sétima arte gaulesa

15 JUL 2017
Da Redação
17h51min
Foto: Divulgação
cultura-interna1
semana do transito

Mantendo a tradição, o cinema francês é novamente a atração do Museu da Imagem e do Som em julho. Entre os dias 17 e 21 (segunda a sexta) serão exibidos filmes que retratam a pluralidade e a intensidade da sétima arte gaulesa. A mostra faz parte do projeto CineMIS e é uma parceria da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul com a Aliança Francesa de Campo Grande. A entrada é franca e as exibições acontecem sempre às 19 horas.

A curadoria é do CineCafé e e compõe um recorte que passa por relacionamentos, arte, conflitos sociais e políticos. Representa de forma marcante o caráter heterogêneo da produção local e também celebra o 14 de julho, a mais importante data cívica para os franceses (Queda da Bastilha, marco da Revolução Francesa).

A Mostra Cinema Francês apresenta um olhar contemporâneo sobre a produção cinematográfica que ajuda a compor estes valores reconhecidos mundialmente e atualiza os laços entre Brasil e França, dando ao público a oportunidade de conhecer produções audiovisuais de grande qualidade.

Confira a programação:

Segunda (17 de julho) – Elle – Michèle (Isabelle Huppert) é a executiva-chefe de uma empresa de videogames, a qual administra da mesma forma que sua vida amorosa e sentimental: com mão de ferro, organizando tudo de maneira precisa e ordenada. Sua rotina é quebrada quando ela é atacada por um desconhecido, dentro de sua própria casa. No entanto, ela decide não deixar que isso a abale. O problema é que o agressor misterioso ainda não desistiu dela. Direção Paul Verhoeven. 2016 ? Suspense ? 2h10min.

Terça (18 de julho) – Sob o céu de satã – O padre rural Donissan está trabalhando na paróquia de um pequeno vilarejo. A jovem Mouchette, de 16 anos, mata o seu amado, fazendo todo mundo acreditar que ele se suicidou. Ela confidencia o crime para o padre e eles estabelecem uma estranha relação. Tentado por satã, ele é obrigado a colocar em teste a sua fé, provando que é verdadeiramente um sacerdote. Direção: Maurice Pialat. 1987 ? Drama ? 1h 43min.

Quarta (19 de julho) – O Ódio – O judeu Vinz (Vincent Cassel), o árabe Saïd (Saïd Taghmaoui) e o pugilista Hubert (Hubert Koundé) vivem no subúrbio de Paris e encaram diariamente a discriminação e os abusos da polícia. Durante mais um dos corriqueiros confrontos com as forças da lei, Vinz encontra uma arma e jura assassinar um policial caso seu amigo Abdel (Abdel Ahmed Ghili), espancado em interrogatório, morra em decorrência dos ferimentos. Direção: Mathieu Kassovitz; 1995; Drama; 1h35min.

Quinta (20 de julho) – Subway – Fred (Christopher Lambert) leva uma vida oportunista e se refugia no sistema de metrô de Paris. Em meio ao mundo subterrâneo ele sobrevive de furtos. Atualmente ele está fugindo dos capangas de um homem de negócios que roubou e está chantageando uma mulher rica, Helena (Isabelle Adjani), por quem está apaixonado. Apesar das adversidades, o maior sonho de Fred é ter uma banda de rock, mas não sem antes explodir um cofre e roubar um trem. Direção: Luc Besson; 1985; Policial; 1h44min.

Sexta (21 de julho) – Adeus à linguagem – Um homem e uma mulher dividem a intimidade em uma casa, onde mora também um cachorro. Ela é casada, mas não há qualquer informação sobre sua vida fora daquele local. Os dois conversam sobre a questão da linguagem sob o ponto de vista filosófico, enquanto que o cão a tudo observa. Direção: Jean-Luc Godard; 2014; Drama; 1h43min.

Veja também