Corrida Cassems
(67) 99826-0686

Três anos após CPI, operadoras de telefonia ainda lideram reclamações em MS

Somente este ano, foram registradas 6.513 denúncias contra as companhias

10 JUL 2017
Thiago de Souza
15h45min
Membros da CPI da Telefonia em dezembro de 2016 Foto: ALMS

Usuários de telefonia móvel e fixa em Mato Grosso do Sul continuam insatisfeitos com os serviços das operadoras. E prova disso é que as empresas lideram o ranking de reclamações no Procon-MS, com 6.513 denúncias, só este ano. Durante a CPI da Telefonia, na Assembleia Legislativa de MS, em 2014, as empresas se comprometeram a melhorar os serviços no Estado.

A comissão iniciou os trabalhos em junho de 2014 e o objetivo era apurar o ‘cai cai’ das ligações e a falta de sinal em Mato Grosso do Sul. Representantes do Procon-MS, MPE (Ministério Público Estadual), Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), OAB-MS e Defensoria Pública colaboraram com informações e na composição do acordo com as telefônicas.

(Telefônicas lideram ranking de reclamações em MS)

Ao final da CPI, as empresas e órgãos fiscalizadores de MS assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), no dia 18 de dezembro de 2014, na qual as operadoras se comprometeram a efetuar melhorias na rede do Estado. Ficou decidido também, que a cada semestre, até 2016, as companhias apresentariam um relatório detalhando as melhorias realizadas. A última reunião de prestação de contas dos representantes das operadores Claro, Vivo, Tim e OI, ocorreu em dezembro de 2016. 

À época, as três maiores reclamações registradas no Procon sobre as empresas eram  cobrança indevida ou abusiva, falta de resolução das demandas e dificuldades no cancelamento dos serviços. Cientes dos problemas, as quatro operadoras se comprometeram a resolver os as pendências. 

No ano de 2014, foram quase três mil reclamações protocoladas no órgão, sendo a Claro com 56,80% do total de queixas, a Vivo em segundo com 26,24%, a Tim em terceiro, com 10,22% e a Oi em quarto, com 6,74%. 

2016

Em 2016 o setor de telefonia voltou a ser campeão das queixas no Procon, após perder para a concessionária de energia elétrica em 2015. Somente no primeiro trimestre do ano, havia contra a Claro 857 reclamações, 416 contra a Claro, 103 em face da OI e 135 contra a TIM. 

2017

Embora tivessem apontado melhorias até 2016, o cliente sul-mato-grossense parece não ter notado avanços substanciais na prestação dos serviços. Das 6.513 reclamações no órgão de defesa do consumidor, em 2017, a Claro lidera com 2.742. Em seguida vem a Vivo, com 2.057 queixas de má prestação de serviços. A OI possui 1.140 registros e a TIM com 574. 

Reclamações

Em abril deste ano, a Justiça acatou um pedido da Defensoria Pública de MS e multou a operadora Vivo em R$ 300 mil mais a obrigação de disponibilizar a tecnologia 3G na cidade de Bataguassu. 
Conforme o processo, a Vivo não estava prestando os serviços de 'maneira adequada, atual e eficaz' conforme os parâmetros da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). 

No entender do magistrado, Marcel Goulart Vieira, da 1 Vara da Comarca de Bataguassu, a empresa 'tem o dever legal de prestar os serviços de maneira adequada, satisfazendo as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas'.  

Operadoras

Vivo

A empresa, que possui 1,6 milhão de clientes em MS, informou que todos os compromissos assumidos durante a CPI da Telefonia em Mato Grosso do Sul foram cumpridos, resultando em melhorias na prestação dos serviços.
 
A operadora está presente em 72 dos 79 municípios de MS, disponibilizando voz e dados, e segue investindo na ampliação de sua rede 4G no estado. 

Claro

A companhia, que tem 1,1 milhão de clientes e está presente em 64 cidades de MS, informou que colaborou e prestou todas as informações solicitadas pelas autoridades do Governo de Mato Grosso do Sul. A empresa esclarece que trabalha e investe continuamente para garantir a satisfação dos seus clientes e oferecer a melhor experiência em produtos e serviços de telecomunicações. 

Ainda segundo a Claro, os investimentos em infraestrutura de sistemas e expansão das redes 3G e 4G na região são constantes, 29 cidades já contam com a tecnologia 3GMax e 15 já são atendidas pela rede 4GMax, considerada a mais veloz do país. 

TIM

A TIM informou que todas as cláusulas do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado pela operadora em dezembro de 2014 com o Procon/MS, Defensoria Pública e Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, foram cumpridas. 

A empresa disse ainda ter realizado ações de melhoria para a prestação do serviço, mutirão de atendimento ao cliente para as demandas do Procon, otimização dos canais de atendimento ao consumidor, forneceu link com o mapa de cobertura na região, além da realização de reuniões anuais com as autoridades locais.

OI

A Oi informa informou que, em 2016, investiu mais de R$ 63 milhões em  MS, 31%  a mais  em relação ao ano anterior. Em 2017, nos três primeiros meses , foram investidos R$ mais de 14 milhões, priorizando investimentos em infraestrutura e modernização da rede para melhoria da qualidade do serviço aos clientes.

No mesmo período diz ter implantado 3.272 novas portas para o serviço de banda larga fixa. Ainda conforme a operadora, houve expansão do Backbone OTN ( Optical Transport Network), que disponibiliza vias de 100 Gigabit por segundo, permitindo acomodar o crescimento de tráfego IP na região Centro Oeste do País. São mais 18.000 mil quilômetros de malha ótica interligando Campo Grande às capitais e grandes cidades do Sul, Sudeste e Nordeste do País por múltiplos caminhos.

(matéria editada dia 11 de julho, às 16h, para acréscimo da resposta da operadora OI)

 

Veja também