(67) 99826-0686

Concessionária de energia deverá ressarcir consumidores da zona rural

Decisão do magistrado faz parte da sentença por ele mesmo proferida em outubro de 2013

10 NOV 2017
Assessoria
17h33min
Foto: Reprodução

Em decisão proferida na quarta-feira (8), o juiz David de Oliveira Gomes Filho, titular da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, determinou a intimação da Energisa para apresentar relação com os dados necessários para que qualquer consumidor da zona rural, lesado por cobranças feitas de forma errada, possa ter a restituição dos valores pagos a mais que o devido.
 
A decisão do magistrado faz, em verdade, parte da sentença por ele mesmo proferida em outubro de 2013. No entanto, devido à série de recursos interpostos pela concessionária de energia, todos julgados improcedentes pelos tribunais, somente agora seu cumprimento pôde ser exigido.
 
O processo, intentado pelo IDEPT – Instituto Direito e Educação para Todos – levou ao conhecimento do Judiciário a prática considerada ilegal da concessionária no cálculo das faturas dos consumidores da zona rural de todo o Estado. Segundo foi noticiado, a empresa não vai aos imóveis rurais, não realizando a leitura dos relógios de consumo de algumas unidades por vários meses. Dessa forma, ela lança na fatura o valor obtido com a média dos consumos anteriores.
 
As diversas resoluções da ANEEL, contudo, determinam que essa média só pode ser feita por, no máximo, 2 meses. No terceiro mês, a concessionária fica obrigada a ir ao local e fazer a leitura. Caso assim não proceda, deverá então lançar na fatura do consumidor rural o valor mínimo, também chamado de “custo de disponibilidade”.
 
Deste modo, entendeu o magistrado que todos os usuários de zona rural, cujo consumo de energia elétrica foi calculado por mais de 2 meses pela média de faturas anteriores, deverão ser ressarcidos, caso o valor pago tenha sido maior do que o mínimo. “A estimativa pela média de consumos anteriores sempre foi exceção e admitida apenas por duas vezes consecutivas, pois no terceiro mês, a obrigação de fazer a leitura é da Enersul (atual Energisa). A inércia, no período da responsabilidade da concessionária, evidentemente não pode sujeitar o consumidor ao arbítrio de um faturamento presumido”, salientou o juiz.
 
Para facilitar a obtenção desta restituição, o juiz David de Oliveira entendeu fundamental a apresentação pela Energisa, em até 15 dias, de uma relação contendo os nomes completos dos usuários do serviço público da área rural, os valores pagos mês a mês por estes usuários, a informação referente à forma de faturamento – se foi pela média ou se foi pela leitura do consumo – bem como os valores correspondentes ao valor mínimo para as referidas e respectivas unidades consumidoras.
 
Devido ao prazo de prescrição da lei do consumidor, os usuários poderão ser ressarcidos de valores pagos a maior desde o dia 30 de abril de 2004. Como se tratam de pagamentos decorrentes de atos ilícitos da concessionária, o juiz proibiu o repasse de seu custo aos outros consumidores. “O ato praticado é ilegal e a condenação a devolver o que recebeu indevidamente atinge exclusivamente a requerida, única responsável pela administração do seu negócio”, frisou.
 
Caso a empresa não atenda a determinação, o magistrado definiu que serão consideradas verdadeiras as informações que os usuários rurais levarem a juízo, cabendo a eles, neste caso, apresentarem, no mínimo, uma fatura de energia que comprove seu enquadramento na classificação de unidade consumidora localizada em área rural.
 
Além disso, determinou a divulgação no sítio eletrônico da empresa por 10 meses de orientações aos usuários para a procura de advogado para executar a sentença e a comunicação à OAB/MS para que repasse a todos os advogados, por e-mail ou outra forma, informação a respeito do direito  reconhecido no processo e pronto para ser executado no domicílio de cada beneficiário.

Veja também