(67) 99826-0686

Irma perde força e se torna tempestade tropical perto da costa da Flórida

O Irma, que já tinha caído para categoria 1, apresentava ventos de até 120 quilômetros por hora, embora ainda produza rajadas quase tão fortes quanto às de furacão

11 SET 2017
Agência Brasil
10h50min
Foto: Erik S. Lesser/EPA/EFE/Arquivo

O furacão Irma foi rebaixado nesta segunda-feira (11) à categoria de tempestade tropical junto à costa oeste da Flórida, avançando rumo ao norte dos Estados Unidos, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC, na sigla em inglês). A informação é da EFE.

Em seu boletim das 9h (horário de Brasília), o NHC disse que o Irma, que já tinha caído para categoria 1, apresentava ventos de até 120 quilômetros por hora, embora ainda produza rajadas quase tão fortes quanto às de furacão. O fenômeno climático estava a cerca de 50 quilômetros de Cedar Key e se desloca a cerca de 30 quilômetros por hora rumo ao noroeste, uma trajetória que deve ser mantida até amanhã.

Ao longo das próximas horas, o Irma se moverá perto da costa noroeste da península da Flórida, cruzará o Panhandle, a área mais continental da península, e chegará ao sul da Geórgia durante a tarde, segundo o NHC. Durante a noite de hoje e nesta terça, partirá rumo ao sudoeste da Geórgia e leste do Alabama.

O fenômeno ainda apresenta sequências fortes de vento, mas está previsto seu progressivo enfraquecimento, até que a partir de amanhã se torne uma depressão tropical. Entretanto, os ventos ainda são sentidos a 95 quilômetros do centro, especialmente na parte oeste, estendendo-se a até 665 quilômetros de distância.

O NHC aliviou alguns dos alertas e advertências para algumas áreas da Flórida. Porém, advertiu sobre o perigo de tempestades ciclônicas que podem alagar áreas próximas a costas habitualmente secas. Em alguns pontos, o nível do mar pode ser elevado em até 1m83.

Até agora, são três as mortes confirmadas como consequência do Irma na Flórida, mas a rede de televisão ABC informou hoje sobre duas novas vítimas, ambas por acidentes de trânsito decorrentes do fenômeno.

Segundo o último boletim do Escritório de Gestão de Desastres da Flórida, mais de 3,8 milhões de pessoas estão sem energia elétrica. As companhias fornecedoras, no entanto, dizem que esse número é maior.

Veja também