(67) 99826-0686
PMCG Janeiro

Korn e Slipknot fecham primeira noite do Monsters of Rock em São Paulo

Rock N' Roll

20 OUT 2013
Da Redação
08h15min
Foto: Divulgação

Korn e Slipknot fecharam a primeira noite Monsters of Rock cumprindo o que os fãs esperavam neste sábado (19), no Anhembi, em São Paulo - público do festival foi de 30 mil pessoas segundo nota oficial da produção. Com repertório repleto de hits, as duas bandas provaram que o estilo criado por eles continua em alta com os mais jovens, mesmo sem a MTV e a ajuda das rádios mais populares.

Perto de 22h40, o grupo liderado pelo vocalista Corey Taylor abriu a apresentação com a pesada "Disasterpiece", do álbum "Iowa", um dos mais aclamados do Slipknot. Mesmo sem um trabalho de inéditas desde "All Hope Is Gone", de 2008, a banda abusou e tocou um hit atrás do outro. "Liberate", "Wait and Bleed" e "Get This" fizeram a alegria dos fãs que lotaram o Anhembi especialmente para vê-los. O aspecto visual do Slipknot é muito impactante, mesmo para quem não gosta da banda, por essa maneira chamava atenção às plataformas giratórias e a pirotecnia usada pelos músicos no show.

"É um privilégio tocar para vocês e junto com todas as bandas que estiveram aqui hoje. Vocês nos mantêm vivos", disse Corey Taylor antes de anunciar "Dead Memories". Antes de uma das últimas músicas da noite, "Spit It Out", Corey pediu para que os fãs ficassem abaixados e só quando a música começasse todos poderiam levantar. O público foi ao delírio, que abriu rodas e pulou o tempo todo após o pedido do vocalista.

Mesmo com todos já querendo voltar para casa, o Slipknot voltou do bis com as músicas "(sic)", "People = Shit" e "Surfacing". O único ponto fraco da apresentação ficou por conta do som das guitarras, que estavam baixos em vários pontos da pista. Os fãs do Slipknot só esperam que a banda volte a gravar um novo álbum de estúdio e que assim como prometeu Corey Taylor durante o show, que voltem ao Brasil em breve. 

KORN E A HOMENAGEM AO SEPULTURA
Liderado pelo vocalista Johnatan Davis, os norte-americanos do Korn tiveram a oportunidade de superar seus conterrâneos do Limp Bizkit. Mesmo com grandes músicas como "Twist", "Falling Away from Me" e "Shoots and Ladders", a banda ganhou o público com uma bela homenagem aos brasileiros do Sepultura.
Logo depois do bis, Johnatan convida ao palco o vocalista Derrick Green e o guitarrista Andreas Kisser, que ao lado do Korn tocam o maior clássico do Sepultura, "Roots Bloody Roots", deixando o público em peso cantando o refrão. Um reconhecimento para a história da maior banda de heavy metal do Brasil.

LIMP BIZKIT TOCA COVERS PARA GANHAR O PÚBLICO
Quinta atração do primeiro dia do Monsters of Rock, o Limp Bizkit se apoiou em 'covers' para ganhar o público. Liderado pelo vocalista Fred Durst, a banda entrou no palco com a faixa "Thieves", originalmente interpretada pelo Ministry. Com repertório curto, a banda passeou pelos seus hits como "Hot Dog" e "My Generation", mas foi quando eles tocaram "Smells Like Teen Spirit" (Nirvana) e "Killing in the Name" (Rage Against the Machine) que o público pulou de verdade. No final, ainda tocaram "Take A Look Around" (da trilha sonora do filme "Missão Impossível 2") que ajudou a agitar os fãs durante o festival.

HATEBREED E KILLSWITCH ENGAGE RENOVAM O PÚBLICO
Com pouco tempo para mostrar seu trabalho, as bandas Hatebreed e Killswitch Engage indicaram que a nova geração do heavy metal norte-americano segue forte em todo mundo, pois podiam ser vistos muitos fãs usando camisetas destas bandas no Anhembi. No caso do Hatebreed o destaque do show ficou por conta das músicas "Honor Never Dies", "Everyone Bleeds Now", "In Ashes The Shall Reap" e "Dead Man Breathing". O Killswitch Engage tocou faixas como "The New Awakening", "The End of Heartache" e "In Due Time", que fizeram a alegria dos fãs presentes.

PROJECT 46 E GOJIRA ABREM O FESTIVAL
Mesmo com pouco público, a banda brasileira Project 46 e os franceses do Gojira abriram o Monsters of Rock. Promovendo a turnê "Doa a Quem Doer", o Project 46 foi uma das vencedoras da batalha das bandas e contou com a ajuda dos fãs para cantar suas músicas durante o show. O grupo não se importou com o horário e tocou com vontade, mesmo com o forte sol e o público ainda chegando ao Anhembi. 

Veja também