re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Câmara abre CPI para analisar cassação de vereador acusado de agredir vereadora com soco

Edicarlos (PSDB), denunciado por agressão à Maria Donizete (PT), é alvo de repúdio da população de Porto Murtinho e de movimentos nacionais

26 NOV 2016
Amanda Amaral
07h00min
Foto: Reprodução/Câmara Municipal de Porto Murtinho

A atitude violenta do vereador Edicarlos de Oliveira Lourenço (PSDB), denunciado pela vereadora Maria Donizete (PT), ocorrida na Câmara Municipal de Porto Murtinho, a 439 km de Campo Grande, agora é alvo de análise interna na Casa de Leis e pode resultar na cassação do mandato do tucano. A parlamentar teria sofrido ofensas, soco e empurrão após uma discussão com o político e radialista, na quarta-feira (23). Saiba mais e ouça o áudio da discussão, clicando aqui.

O pedido para abertura de procedimento que apura a conduta do vereador surgiu de um movimento organizado pela própria população do município. A solicitação foi aceita por sete dos nove parlamentares presentes durante a última sessão. Não votaram apenas os dois vereadores do PSDB, Edicarlos, que se diz vítima de 'armação política', e Regina Heyn, que não estavam presentes.

Foram sorteados os membros da Comissão, Ailton Sanches Coalhada (PMDB) como presidente, Fábio Silva dos Santos (PT) como relator e Sérgio Bacha (PDT) como membro. Os três devem ouvir todos os envolvidos, entre eles o vereador Carlos Heitor (PT), que presenciou o bate-boca, e analisar o mandato até o dia 15 de novembro.

Ao TopMídiaNews, Maria Donizete afirmou que irá denunciar Edicarlos ao Ministério Público Estadual na próxima semana e se diz surpresa com o apoio que tem recebido. “Isso não é um foi movimento político, como ele chegou a alegar. Tenho recebido mensagens positivas de muitos, de muitas partes do país, estão organizando manifestações. Mas isso não é vangloriar, estou com hematomas e me sinto triste por as coisas acontecerem dessa forma, não me sinto mulher maravilha, sou um ser humano”, diz.

Um dos principais movimentos feministas do país, a Marcha Mundial das Mulheres, publicou nota oficial se posicionando contra a atitude do vereador. O movimento aponta o ocorrido como uma ‘barbárie’ e pede que o mandato do vereador seja cassado. Além disso, aponta Edicarlos como machista, covarde e intolerante, citando que a situação é agravada por Mato Grosso do Sul ser um dos primeiros Estados em rankings de crimes como estupro, violência doméstica e feminicídio. Confira a nota na íntegra, abaixo:

“A Marcha Mundial das Mulheres vem a público denunciar e repudiar a agressão sofrida pela vereadora Maria Donizete (PT) no município de Porto Murtinho protagonizada pelo vereador Edicarlos de Oliveira Lourenço (PSDB) do mesmo município. A violência perpetrada contra a vereadora Maria Donizete foi um ato covarde e abominável. Essa violência machista, intolerante de típica de homens que não aceitam e nem respeitam a presença das mulheres na política e em nenhum espaço de poder e decisão. Vivemos um momento de extrema turbulência, que beira as barbárie em nosso país e, nos parlamentos municipais vereadores repetem a violência e são artífices da barbárie em relação as mulheres.

Essa violência é fruto do ódio por não aceitarem dividir espaço na câmara com as mulheres e, portanto, todo o vereador do parlamento em questão tem responsabilidade por esse absurdo, esse abuso. Não bastasse o estado de Mato Grosso do Sul estar entre os primeiros no ranking nacional do estupro, da violência doméstica e do feminicído, os vereadores em algumas câmaras municipais vociferam, praticam assédio sexual e literalmente partem pra cima das mulheres vereadoras, colegas de parlamento, eleitas, escolhidas pela população para representá-la, portadoras dos mesmos direitos e deveres que qualquer outro parlamentar no exercício do mandato.

Nós mulheres ativistas da Marcha Mundial das Mulheres queremos manifestar todo apoio, solidariedade e respeito à vereadora Maria Donizete do município de Porto Murtinho, a qual foi bárbara e covardemente agredida por um vereador misógino, machista e intolerante.

Repudiamos toda e qualquer forma de violência em qualquer lugar e espaço, seja público ou privado e Conclamamos a Câmara Municipal de Porto Murtinho, através da sua mesa diretora a tomar as medidas cabíveis para a Cassação do mandato do vereador EdiCarlos (PSDB) de Porto Murtinho e o Ministério Público para que represente contra esse parlamentar, pois, violência contra a mulher é crime e crime deve ser punido na forma e com o rigor da Lei. Seguiremos em Marcha e em luta por uma vida sem violência para as Mulheres.

Campo Grande MS, Novembro de 2016

Marcha Mundial das Mulheres”

Veja também