re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Parlamento Europeu apela às autoridades brasileiras pela proteção e demarcação das terras em MS

A resolução norteará as relações políticas e comerciais dos países que compõem o Parlamento Europeu com o Brasil

28 NOV 2016
Ruy Sposati/Cimi
15h25min
Foto: Ruy Sposati/Cimi

O Parlamento Europeu aprovou uma Resolução Urgente onde "condena" e "deplora" a violência e as violações de direitos humanos sofridas pelo povo Guarani e Kaiowá no Mato Grosso do Sul. Em apelo dirigido às autoridades brasileiras, os eurodeputados pedem medidas imediatas para a proteção, segurança e demarcação das terras dos povos indígenas.

"As empresas deveriam prestar contas por qualquer dano ambiental e por quaisquer violações dos direitos humanos e a União Europeia e os Estados-Membros deveriam consagrar esta condição como princípio fundamental, tornando-o uma disposição vinculativa em todas as políticas comerciais".

A resolução publicada no início da noite de quinta-feira, 24, norteará as relações políticas e comerciais dos países que compõem o Parlamento Europeu com o Brasil. Conforme os eurodeputados, o direito originário dos povos indígenas ao território tradicional, presente na Constituição brasileira, é um dever do Estado de proteger - o que não ocorre.

Para os eurodeputados, é urgente um "plano de trabalho visando dar prioridade à conclusão da demarcação de todos os territórios reivindicados pelos Guarani-Kaiowá e criar as condições técnicas operacionais para o efeito, tendo em conta que muitos dos assassinatos se devem a represálias no contexto da reocupação de terras ancestrais".

Diante da iniciativa do governo brasileiro de congelar gastos primários pelos próximos 20 anos com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, "recomenda que as autoridades brasileiras assegurem um orçamento suficiente para as atividades da Funai". A resolução apresenta preocupações com medidas dos poderes Executivo e Legislativo.

Naquilo que entende como "direitos opostos aos dos índios", o Parlamento Europeu afirma que a PEC 215, se for aprovada, irá ameaçar os direitos à terra, permitindo um bloqueio do reconhecimento dos novos territórios indígenas. O marco temporal também foi condenado como interpretação limitada da Constituição brasileira.

O Parlamento Europeu recordou às autoridades brasileiras, em trecho da resolução, a obrigação do país de " respeitar o direito internacional no domínio dos direitos humanos no que diz respeito às populações indígenas, tal como estabelecido, em especial, pela Constituição Federal Brasileira e a Lei 6.001/73 sobre «o Estatuto do Índio»".

"O Ministério Público Federal e a Fundação Nacional do Índio(FUNAI) assinaram em 2007 o Compromisso de Ajustamento de Conduta, a fim de identificar e demarcar 36 territórios da comunidade Guarani-Kaiowá até 2009". O que não ocorreu, conforme atestou a Organização das Nações Unidas (ONU).

Veja também