TJMS
re9
(67) 99826-0686

Polícia Federal deflagra operação mirando no grupo Aviões do Forró

Operação, batizada de For All, mira no grupo empresarial A3 Entretenimento, que administra, entre outras bandas, o grupo Aviões do Forró

18 OUT 2016
O Globo
13h43min
Foto: Reprodução

No início da manhã desta terça-feira, a Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal, deflagrou uma nova operação contra fraudes no imposto de renda e lavagem de dinheiro que teriam sido cometidas por empresários do setor do entretenimento, responsáveis pelo agenciamento de bandas de forró e casas de show no estado do Ceará. A operação, batizada de For All, mira no grupo empresarial A3 Entretenimento, que administra, entre outras bandas, o grupo Aviões do Forró.

Procurada pelo Globo, a banda enviou comunicado oficial: "A Banda Aviões do Forró informa que está à disposição da Polícia Federal e da Justiça e que colaborará com todos os questionamentos em relação à operação". Segundo os porta-vozes, o mesmo vale para a A3 Entretenimento. Criada em 2002, a Aviões do Forró é um dos maiores nomes do gênero no Brasil, com cerca de 30 shows por mês, e turnês pelos Estados Unidos e Europa. Na noite desta terça-feira, o grupo tem uma apresentação agendada em Floriano, no Piauí, que segue inalterada.

— Essa investigação vem acontecendo há dois anos, em parceria com a Receita Federal, e teve início pelas incongruências encontradas no imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas do ramo do entretenimento — explica Dora Lúcia Oliveira de Souza, delegada de polícia federal no Ceará responsável pela operação, em entrevista ao GLOBO.

Segundo as investigações da Polícia Federal, há indícios de que os integrantes da organização evitavam o pagamento de impostos ao fornecer dados falsos ou omitindo dados relevantes em suas declarações de imposto de renda pessoa física e jurídica. O grupo ainda adquiria bens, como veículos e imóveis, sem declarar à Receita Federal. Os imóveis foram bloqueados e os automóveis serão apreendidos. De acordo com a delegada, os valores informados dos cachês dos shows das bandas envolvidas no caso, bem como a quantidade de shows, eram bem menores que os praticados.

— Confirmamos isso através da agenda de shows das bandas, informações disponíveis ao público. Quanto aos cachês, de acordo com informações publicadas no Diário Oficial, obrigatórias quando essas bandas são contratadas por órgão públicos, constatou-se que nem 30% do valor recebido era declarado.

As investigações preliminares da Polícia Federal apontam um prejuízo aos cofres públicos de R$ 121 milhões entre os anos de 2012 e 2014:


— Isso só em shows. Excluem-se desse valor as vendas de CDs, cotas de patrocínio e ganhos com publicidade, entre outros. Contando com todas as bandas e empresas que fazem parte do grupo, foram sonegados R$ 500 milhões.

De acordo com a comunicação da PF, cerca de 260 policiais federais e 35 auditores estão cumprindo 76 mandados judiciais, sendo 32 de condução coercitiva e 44 de busca e apreensão nas cidades de Fortaleza e Russas, no Ceará, e Souza, na Paraíba. Entre os alvos, estariam os cantores Solange Almeida e José Alexandre, conhecido como Xand Avião.

Também foram encontradas divergências sobre movimentações bancárias incompatíveis com os rendimentos declarados, pagamentos elevados em espécie, além das diversas variações patrimoniais. No decorrer da investigação, foram identificados indícios de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e associação criminosa, informa a PF.

Veja também