informe leilão
dr. hernia
(67) 99826-0686

Mulher morre dias após dar a luz e família acredita em negligência médica

Francieli sentia fortes dores desde o mês de dezembro de 2016

10 FEV 2017
Dany Nascimento
07h58min
Foto: Reprodução

Após sofrer uma embolia pulmonar quase um mês após ter um bebê na maternidade do Hospital Regional Dr. José de Simone Neto em Ponta Porã, Francieli Gonçalves Colmam, 25 anos, não resistiu e morreu.Segundo o Dourados News, o marido de Francieli, acredita que houve negligência médica no hospital.

 A jovem deu entrada no dia 27 de dezembro na maternidade, onde deu à luz na manhã do dia seguinte. Ela aparentava estar bem, retornou ao leito e amamentou o filho. Já no dia 29, Francieli relatou ao esposo que estava com fortes dores nas costas, tanto que a jovem gritava pedindo por ajuda, segundo relatos da acompanhante de quarto.

Ela foi medicada por uma enfermeira contra gases, e disse que era normal se sentir mal após uma cesariana. No outro dia, o marido da paciente procurou outra enfermeira da maternidade e ela teria dito que não tinha como falar com o médico naquele momento. Ao questionar sobre o que poderia causar tanta dor, a enfermeira falou que se tratava de uma depressão pós-parto, segundo o marido.

Em reportagem do site Brasiguaio News, o esposo, que não foi identificado, contou que foi informado sobre um raio-x do pulmão. O médico de plantão então falou que estava tudo normal e descartou uma transferência para Dourados. Ainda segundo o rapaz, nem ele e nem a esposa tiveram acesso ao raio-x. No dia 31 de dezembro, a jovem recebeu alta, mesmo reclamando de fortes dores e teve dipirona receitado.

Francieli continuou reclamando de dores em casa, que aumentava durante a noite. No dia 16 de janeiro, após desmaiar, Francieli foi levada para Hospital Regional de Ponta Porã, onde ficou por 15 minutos e saiu com uma receita de Torsilax e Paracetamol.

No hospital, disseram que ela estava com palpitações e o remédio iria resolver o problema. As dores continuaram nos próximos dias e ela retornou ao Hospital Regional onde fez inalações e tomou um remédio na veia.

No hospital, Francieli teve uma forte crise de falta de ar e aceleração cardíaca e, com esse quadro, a levaram para a ala vermelha onde foi feito monitoramento dos batimentos cardíacos. Também foi realizada uma drenagem no pulmão quando a paciente foi induzida ao coma após um pedido de transferência para o Hospital da Vida, em Dourados.

Os médicos chamaram os familiares para esclarecer as hipóteses de causa das dores. Eles disseram que a jovem apresentava sintomas de tromboembolia pulmonar. Lá ela recebeu medicamentos, fez hemodiálises, sofreu uma hemorragia e não resistiu.

 O esposo da jovem acredita que houve negligência no Hospital Regional de Ponta Porã e já procurou advogado para acionar a Justiça. A Associação de Vítimas de Erros Médicos de Mato Grosso do Sul também foi acionada.

 

Veja também