(67) 99826-0686
PMCG Novembro

Pena 'leve' para assassino gera revolta e julgamento termina em quebra-quebra

Advogados tiveram de ser protegidos pela polícia

10 NOV 2018
Thiago de Souza
09h30min
Júri popular terminou em confusão em Dois Irmãos Foto: Repórter Top

Familiares da uma mulher morta a marretadas pelo então marido, Benedito Antenor Eugênio, em 2013, em Dois Irmãos do Buriti, se revoltaram com o veredicto dado ao réu em julgamento na tarde desta sexta-feira (9). Ao entender que a pena não seria severa, promoveram quebra-quebra no fórum local.

Testemunhas contam que o Benedito foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio qualificado, em razão do assassinato da esposa. No entanto, a defesa recorreu da pronúncia e conseguiu excluir a qualificadora e o crime passou a ser configurado como homicídio simples.

A sentença dada a Benedito pelo juiz Diogo Freitas foi de nove anos de prisão por homicídio simples. Porém, houve redução da pena em razão do entendimento do homicídio privilegiado, ou seja, que Benedito cometeu o crime contra Adriana Souza de Oliveira sob violenta emoção.

Neste caso, a pena caiu para sete anos e seis meses e com isso não se aplica o regime fechado e sim o semiaberto, levando em consideração que ele já cumpriu um ano e nove meses de prisão.

 

Sentença revoltou familiares de Adriana. (Foto: Reprodução Grande FM)

Ainda de acordo com testemunhas, membros da família de Adriana partiram para cima do condenado. Eles foram contidos e levados para fora do prédio. Lá, passaram a tacar pedras contra a fachada do fórum.

Ao deixar o local, os advogados Ricardo Machado Filho, Wilian Wagner e José Marcos Maksoud Júnior só saíram de lá sob proteção policial.

 

Veja também