TJMS
re9
(67) 99826-0686

Adolescente é detido e revela ter feito programa sexual para ex-vereador

Rapaz de 15 anos confessou ter desfigurado Luiz Ojeda

11 OUT 2016
Rodson Willyams
08h38min
Delegado Camilo Kettenhuber Cavalheiro Foto: André de Abreu

A Polícia Civil trabalha com a possibilidade de existir exploração sexual no caso envolvendo o ex-vereador Luiz Antonio de Souza Ojeda, encontrado com o rosto desfigurado em uma rua no bairro Cidade Jardim, na madrugada desta segunda-feira (10). Por volta das 2 horas desta terça-feira (11), o SIG (Setor de Investigações Gerais) apreendeu um adolescente de 15 anos no bairro Tiradentes, suspeito de praticar o crime.

De acordo com o delegado plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro, Camilo Kettenhuber Cavalheiro, em depoimento, o menor relatou que seguia na Avenida Afonso Pena quando o ex-parlamentar teria encostado o carro e oferecido uma carona.

Ao aceitar a carona, o ex-vereador teria proposto um programa no valor de R$ 20. O adolescente teria aceitado e os dois foram até uma rua escura no bairro Cidade Jardim. "Houve relação sexual, o adolescente foi ativo, mas na hora em que a vítima propôs o inverso, o menor não gostou. Ele teria tentado sair do carro, mas vítima teria puxado e, com isso, o adolescente se exaltou e o chamou de 'Jack' - que na linguagem dele, seria estuprador", relata o delegado.

O adolescente inicialmente deu uma ‘gravata’ – golpe de enforcamento - em que acabou deixando Ojeda desacordado. "Logo em seguida, ele deu de quatro a cinco chutes na cabeça da vítima. Depois pegou duas pedras e golpeou a vítima no rosto, o deixando totalmente desfigurado".

Após deixar a vítima caída na calçada, o adolescente se dirigiu a pé até ao bairro Tiradentes e, na Avenida Marques de Pombal, teria encontrado o irmão pedindo uma carona e o levado até o local do crime. "Ele disse que o irmão não sabia de nada, mas quando chegou ao local, o carro da vítima estava trancado. Eles quebraram o vidro do carro e pegaram objetos pessoais. Como duas carteiras, sendo uma da vítima e do enteado, uma camiseta, aparelho celular e o estepe".

Segundo o delegado, o adolescente vendeu o celular e o estepe. "As carteiras, nós localizamos em uma residência. O menor nos indicou onde estavam escondidos os pertences, a carteira que seria do enteado da vítima estava escondida no telhado da casa e a da vítima estava dentro da caixa de gordura, dentro de um cano de PVC, e embalada por um saco plástico".

O delegado ainda esclareceu que a apreensão do adolescente ocorreu após o trabalho de campo do SIG que chegou até o menor envolvido. Ele foi encaminhado para a Depac Centro, onde foi ouvido e posteriormente foi entregue à tutela do Ministério Público Estadual. "Acredito que ele deve ser encaminhado para uma unidade de internação e deve permanecer detido provisoriamente por 45 dias, uma vez que foi uma apreensão em flagrante. Porém, ele pode ficar até três anos ou até completar 21 anos".

Por fim, o delegado ainda explicou que como a vítima permanece em coma induzido, espera que a vítima melhore para esclarecer os fatos. "Nós desejamos que ele melhore para que possa nos esclarecer. Mas também acreditamos que possa haver mais pessoas envolvidas", finalizou. Imagens de segurança das empresas Proteco e Vistec serão solicitadas pela polícia para análise do caso. 

Veja também