Corrida Cassems
studio center
(67) 99826-0686

Procurador manda remover carro do local e revolta família de idosa que morreu atropelada

Ação pode dificultar as investigações da polícia

13 SET 2017
Kerolyn Araújo
16h48min
Foto: Wesley Ortiz

Os familiares da aposentada Verônica Ricaldi Fernandes, 84 anos, que morreu na tarde desta quarta-feira (13), após ser atropelada na Avenida José Nogueira, no bairro Tiradentes, ficaram revoltados após um homem tirar da cena do crime o carro de Cirlene Lelis Robalinho, que atropelou a idosa.

Logo após o acidente, o marido de Cirlene, o procurador de Justiça Gilberto Robalinho, chegou ao local acompanhado de alguns homens para socorrer a esposa, que teria passado mal após atropelar a idosa. Cirlene deixou a farmácia onde se abrigou após o atropelamento em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). O rosto dela estava coberto com uma toalha, para evitar que ela fosse fotografada.

Após a ambulância deixar o local, o procurador mandou que um dos homens tirasse o carro da esposa, um Fiat Uno, da cena do atropelamento, o que causou revolta dos familiares da vítima e populares que estavam no local.

De acordo com o artigo 176, do Código de Trânsito Brasileiro, quem não preservar o local do acidente está sujeito a uma infração gravíssima, multa multiplicada por cinco e suspensão do direito de dirigir. Quando o carro foi tirado do local, a perícia ainda não havia chegado.

Revoltados, familiares de Verônica questionaram o tratamento que a esposa do procurador recebeu e o motivo pelo qual o carro foi retirado do local. ''Isso não é crime?'', questionou uma das netas da vítima. Eles também chegaram a dizer que ela não estava passando mal e que só estava recebendo atendimento médico porque é rica. "Não deveria sair daqui em ambulância, mas sim em uma viatura da polícia", disse um deles.

A mulher do procurador teria afirmado ao marido que havia passado mal, perdido a direção do veículo e atropelado a idosa, porém, várias testemunhas disseram que Cirlene estava fazendo o uso de celular no momento do acidente. 

Populares também relataram que ouviram o procurador dizer que mandaria prender quem tirasse foto de sua esposa.

Veja também