banner sebrae
pmcg tjms
(67) 99826-0686
Gov presente - transparencia

Delegado pede exame para verificar se corretor foi sedado antes de ser morto

Imagens mostram a esposa de Ivan Júnior entrando na imobiliária durante a madrugada e a mesma continua foragida

2 DEZ 2017
Dany Nascimento
10h00min

O delegado Valmir de Moura Fé, da 6ª Delegacia de Polícia Civil afirmou ao TopMídiaNews que solicitou exame toxicológico (exame indolor capaz de detectar o consumo de substâncias psicoativas) para verificar se o corretor de imóveis, Ivan Júnior Marquezan da Cunha, 55 anos, foi sedado antes de ser assassinado. Ele foi encontrado morto na tarde de ontem (1°), dentro de sua residência no bairro Amambai, em Campo Grande.

Moura Fé destaca que a polícia constatou que a esposa do corretor, Dirleia Patrícia Monteiro Paes, 38 anos, esteve na imobiliária da família por volta das 3 horas, mas as câmeras da casa onde a família vivia foram desligadas. O sistema de monitoramente da casa já foi encaminhado para a perícia, na tentativa de recuperar as imagens. Além disso, o delegado confirma que já ouviu testemunhas e considera o caso ‘estranho’.

“Já temos imagens das câmeras e testemunhas. Conseguimos ver as imagens das câmeras da imobiliária e aparece ela sozinha entrando no local às 3 horas da madrugada. As câmeras da casa foram delsigadas e está estranho, temos que avaliar o caso”, diz o delegado.

Questionado sobre o pedido de prisão preventiva da suspeita, o delegado explica que a polícia aguardar até a próxima terça-feira (5). “Vamos dar esse prazo para que ela se apresente, ela continua foragida e o advogado não nos procurou. Tem muita coisa para ser investigada ainda sobre esse crime”.

Suspeita de crime premeditado

Diante das investigações, o delegado não descarta que o crime tenha sido premeditado. O advogado de Dirleia, Marcio Ribeiro dos Anjos procurou a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) por volta de 12 horas de ontem (1°), relatando que sua cliente teve uma briga com o esposo por volta de 2h da madrugada. Durante a troca de agressões, ela teria ferido Ivan, que ficou desacordado.

Em seguida, ela teria saído de casa e, abalada e por isso não acionou socorro ou polícia imediatamente. Na Deam, o advogado disse que  tinha a intenção de registrar boletim de ocorrência por violência doméstica. Nesse momento, o Centro de Operações das Polícias Civil e Militar (Ciops) informou que um corpo havia sido descoberto no mesmo endereço da queixa de agressão, e o caso passou a ser investigado por outra delegacia.

A vítima foi  encontrada morta na cama e com um travesseiro cobrindo o rosto.

Conflitos

A relação do casal Ivan e Dirleia era turbulenta. Ainda conforme a polícia, foram três boletins de ocorrência registrados por eles. Um deles é de fevereiro deste ano, e consta como lesão corporal recíproca. Em 2011 e 2013, Dirleia registrou duas ocorrências de violência doméstica.

Familiares da vítima apontam que a suspeita estaria roubando dinheiro de Ivan e também suspeitam que parentes delapossam ter participação no crime. Inclusive, o irmão dela teria tentado matar Ivan em outra ocasião.

Agora, a polícia vai ouvir mais familiares das partes e saber se o casal estava em processo de separação.

 

Veja também