TJMS
re9
(67) 99826-0686

Ex-vereador encontrado desfigurado segue em estado grave na Santa Casa

Ojeda foi transferido para o CTI, mas seu quadro clínico não sofreu alterações

13 OUT 2016
Dany Nascimento
19h01min
Foto: Reprodução Facebook

O estado de saúde do ex-vereador Luiz Antônio de Souza Ojeda continua grave. De acordo com a assessoria de imprensa da Santa Casa de Campo Grande, Ojeda foi transferido para o CTI (Centro de Tratamento e Intensivo) e ainda não passou por procedimento cirúrgico.

Ojeda foi encontrado com o rosto desfigurado em uma rua no bairro Cidade de Jardim na última segunda-feira (10). Após apreender um adolescente de 15 anos no bairro Tiradentes, que confessou ter agredido Luiz, a  Polícia Civil trabalha com a possibilidade da existência de exploração sexual.

Ao prestar depoimento, o menor relatou que trafegava pela Avenida Afonso Pena, quando o Luiz Antônio encostou o carro e ofereceu carona. Após entrar no carro, o adolescente afirmou que o ex-vereador teria proposto um programa no valor de R$ 20.

A proposta foi aceita pelo menor e ambos teriam seguido para uma rua escura no bairro Cidade de Jardim. Segundo o delegado plantonista da Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro, Camilo Kettenhuber Cavalheiro, houve relação sexual, mas uma proposta do ex-parlamentar para uma nova relação, teria deixado o adolescente irritado.

"Houve relação sexual, o adolescente foi ativo, mas na hora em que a vítima propôs o inverso, o menor não gostou. Ele teria tentado sair do carro, mas vítima teria puxado e, com isso, o adolescente se exaltou e o chamou de 'Jack' - que na linguagem dele, seria estuprador", explica o delegado.

Diante disso, o adolescente destacou que deu uma 'gravata'– golpe de enforcamento - o que teria desacordado Ojeda. "Logo em seguida, ele deu de quatro a cinco chutes na cabeça da vítima. Depois pegou duas pedras e golpeou a vítima no rosto, o deixando totalmente desfigurado", afirma o delegado.

Após a agressão, o adolescente seguiu a pé pelo bairro Tiradentes e ao encontrar o irmão, pediu uma carona e foi até o local do crime. "Ele disse que o irmão não sabia de nada, mas quando chegou ao local, o carro da vítima estava trancado. Eles quebraram o vidro do carro e pegaram objetos pessoais. Como duas carteiras, sendo uma da vítima e do enteado, uma camiseta, aparelho celular e o estepe".

A polícia localizou apenas as carteiras em uma residência e o menor confirmou que teria vendido o celular e o estepe do veículo. A polícia conseguiu chegar até o menor através do  trabalho de campo do SIG (Serviço de Investigações Gerais). O adolescente foi encaminhado para a Depac Centro, foi ouvido e posteriormente foi entregue à tutela do Ministério Público Estadual. 

 

 

 

Veja também