TJMS CIJUS
vivi
(67) 99826-0686

Homem é executado em banheiro de bar

O crime aconteceu na madrugada deste domingo

12 FEV 2017
Anna Gomes
08h44min
Foto: Alisson Silva

Adilson Maciel de Oliveira, de 32 anos, mais conhecido como “Pitchula”, foi morto a tiros, na madrugada deste domingo (12), no banheiro de um bar da avenida Presidente Vargas, em Coxim, município distante aproximadamente 250 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o site Edição de Notícias, as informações são de que a vítima teria sido atingida por vários tiros, porém, apenas um tiro foi encontrado pela perícia, inicialmente. O autor colocou a arma, provavelmente um revólver de calibre 38, embaixo do queixo de Pitchula e disparou.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas, quando chegou ao local, a vítima já estava sem vida. Pitchula morreu na hora e ficou caído no banheiro até a chegada da perícia. Quando a mãe da vítima chegou o corpo ainda estava no banheiro, apesar do desespero, ela foi impedida de entrar para não desfazer o local do crime e atrapalhar o trabalho de peritos.

Ainda conforme o site local, populares informara que depois de cometer o crime, o autor deixou o bar com a arma em punho. Ele teria entrado em um carro branco e deixado o local. O suspeito de ter dado fuga voltou até o bar e foi detido para averiguações.

A segurança do bar acredita que a arma tenha sido passada pelo autor por cima do muro, depois que ele já estava lá dentro, uma vez que todas as pessoas que entram no bar são revistadas. Existe ainda a possibilidade do revólver ter sido entregue por uma janela, que estava com a grade danificada.

A Polícia Civil já está no caso e, além do autor, quer identificar quem ajudou no crime, podendo ser até três o número de pessoas envolvidas. Informações preliminares apontam que o homicídio seja passional, pois Pitchula estaria se relacionando com a ex-mulher do suposto autor.

A Polícia Militar também trabalhou no local, inclusive auxiliou nas buscas pelo autor do crime, assim como a ROTAI (Rondas Ostensivas e Táticas do Interior). O corpo de Pichula foi levado para o IML (Instituto Médico Legal) para necropsia. A vítima tem várias passagens, por posse de drogas, furto e desobediência.

Veja também