zé ramalho
studio center
(67) 99826-0686

Policial que matou adolescente em balada diz que fugiu do local por estar confuso

Advogado confirma que ele desapareceu do local para fugir do flagrante, mas destaca que policial apenas revidou tiros

11 JUN 2017
Anna Gomes
13h03min
Foto: Arquivo Top Mídia News

O Policial Militar que matou o adolescente Luiz Junior Souza, de 17 anos, vai se apresentar na delegacia nesta segunda-feira (12), conforme seu advogado Amilton Ferreira de Almeida. O jovem morreu na madrugada de ontem (10), após uma confusão em um baile funk, na Chácara da República, no Bairro Jardim Monte Alegre, em Campo Grande.

O advogado ressaltou que o militar não estava trabalhando na festa como segurança e seu cliente teria ido ao local exclusivamente para se divertir. A princípio, teria acontecido um tumulto no local e, já fora da casa, houve uma troca de tiros entre o adolescente e o policial, isso ainda de acordo com Amilton.

Almeida diz que, quando o militar estava fora da casa, ele viu o menor armado, foi quando deu a voz de prisão ao adolescente. O jovem não acatou e ainda, supostamente, atirou contra o policial que revidou e matou Luiz.

O menor morreu no local depois de levar um tiro no pescoço. Quando interrogado sobre o motivo do militar fugir, Amilton relatou que ele teria ficado 'confuso' e resolveu fugir do flagrante.

Ainda foi perguntado para o advogado sobre a arma que o adolescente supostamente estaria portando. Ele não soube responder se ela foi apreendida.

"Ele trabalha há onze anos na corporação e ele ainda esperou o adolescente atirar duas vezes para revidar. Ele vai se apresentar nesta segunda-feira na 5ª Delegacia de Polícia Civil", afirmou Amilton 

Posição da Casa de Shows

A equipe de reportagem entrou em contato com o responsável da Chácara República e ele informou que a briga aconteceu a metros de distância da casa noturna. O dono do estabelecimento ainda destacou que o menor não estava dentro do local.

"Atendemos um público muito grande, mas ele não estava dentro da casa. É normal várias pessoas se aglomerarem próximo ao local e não entrar. Não vi como tudo aconteceu, pois estava trabalhando no caixa, quando saí, vi o que havia acontecido, mas o policial realmente não é segurança do Chácara República e ele teria ido apenas para se divertir", esclareceu.

Veja também