re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Sindicalista preso em operação contra pornografia infantil é diretor de comunicação

Moisés Sanches é funcionário do local há 10 anos e foi flagrado com imagens de pornografia no computador do trabalho

1 DEZ 2016
Dany Nascimento
08h44min
Foto: Reprodução/Facebook

O Sindasp-MS (Sindicato dos Agentes de Segurança Patrimonial Públicos de Mato Grosso do Sul) confirmou que o diretor de comunicação e relações públicas, Moisés Sanches Marques, 38 anos, foi preso pela Polícia Federal, na Operação Patruus II,  realizada ontem (30), em Campo Grande e Bonito.

Moisés é funcionário do Sindasp há 10 anos e foi flagrado com imagens de pornografia infantil no computador do trabalho no momento da abordagem. O delegado Marcelo Alexandrino de Oliveira havia dito de início que se tratava do presidente do sindicato, mas funcionários confirmaram que se trata do diretor de comunicação. 

Além de Moisés, outra pessoa também foi presa em flagrante na Capital, já que no momento da abordagem, portava 200 gramas de maconha. Os policiais prenderam diversos computadores, pendrives e celulares foram apreendidos.

Diante dos casos envolvendo pornografia infantil, o delegado destaca ainda que uma nova ferramenta está sendo utilizada pela Polícia Federal, identificada apenas como CPS, com capacidade de ter acesso a todo conteúdo envolvendo pornografia infantil da internet, desde o download e garante que o cerco para os pedófilos está se fechando.

"Agora a Polícia Federal está com nova ferramenta de investigação e consegue ver tudo que tem pornografia infantil, o cerco começa a se fechar para os pedófilos. O tempo em que a internet era esconderijo está acabando, mas cedo ou em menos dias, a polícia federal vai bater na sua casa", diz Marcelo.

A operação

A operação foi denominada de 'Patruus', que  em latim significa 'tio'. Em  julho deste ano a PF prendeu um indivíduo que abusava sexualmente da sobrinha. Esta operação é continuidade no combate a este tipo de delito. Todos os materiais  das buscas e apreensões serão levados para a sede da Superintendência Regional da PF em MS, a fim de instruírem procedimento investigatório.

Veja também