(67) 99826-0686
ALMS Dezembro

Suspeito de duplo latrocínio em sítio morre em troca de tiros com a PM

Um homem foi morto a tiros e outro possivelmente enforcado na área rural

7 DEZ 2018
Thiago de Souza
17h49min

Cleiton da Silva Lima, 21, morreu após troca de tiros com policiais militares, no início da tarde desta sexta-feira (7), na parte alta de Corumbá. Lima é apontado como um dos autores de um duplo latrocínio de trabalhadores nessa quinta-feira (5) , ocorrido em um sítio na região de Urucum, distante 20 quilômetros da cidade branca.  

Conforme o Diário Corumbaense, a Polícia Militar recebeu informações na tarde de hoje que produtos roubados nesse sítio estavam em uma casa no bairro Cravo Vermelho. No local, os militares prenderam quatro suspeitos do crime e apreenderam pertences dos dois mortos, três espingardas e dois revólveres.

Os suspeitos presos apontaram onde estaria Cleiton e ele foi encontrado no final da rua Rio Grande do Sul. Ele estava armado com um revólver e teria atirado com a equipe da PM, que revidou e feriu o suspeito. Cleiton foi socorrido pelos militares ao pronto-socorro, mas morreu minutos após dar entrada na unidade.

Cleiton já havia sido detido nessa sexta-feira, suspeito do duplo latrocínio. Ele foi interrogado pela Polícia Civil e liberado ontem mesmo.  

O crime

Cícero Manoel da Silva, 49 e Francisco Bernardo da Silva, 47, foram encontrados mortos em um sítio na região de Urucum, próximo às margens da BR-262,  por volta do meio-dia dessa quinta-feira.

Os dois eram funcionários do sítio e foram encontrados por um outro trabalhador do local, que  acionou a PM. Ele disse que na noite de quarta-feira (5), foi para Corumbá, onde mora e as duas vítimas ficaram no local.

No retorno, na tarde de quinta, segue o Diário Corumbaense, ele avistou os corpos e constatou que a casa havia sido arrombada. Objetos como motosserra foram levados. Uma das vítimas foi morta a tiros e outra teria sido laçada pelo pescoço e teve mãos e pés amarrados. Este último teria sido amarrado em um tronco e morrido asfixiado com a corda.

A Polícia Civil investiga o caso como latrocínio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também