(67) 99826-0686

Apesar das críticas de rivais, Azambuja diz que Marun é experiente e vai conduzir bem a CPI da JBS

Governador disse que incentivos dados às empresas do grupo J&F podem ser anuladas se ficarem comprovadas irregularidades

12 SET 2017
Thiago de Souza e Amanda Amaral
19h00min
Reinaldo diz que Marun vai conduzir bem a CPI da JBS Foto: Wesley Ortiz

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) elogiou o deputado federal Carlos Marun (PMDB) e acredita que ele vai conduzir bem a relatoria da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da JBS no Congresso Nacional. ''Marun é experiente, aguerrido, lutador, com certeza essa CPI vai ter grande discussão, porque traz fatos novos à delação'', respondeu o governador.

''Não tenho dúvida nenhuma que o Marun vai desempenhar bem essa função'', completou Reinaldo.

Incentivos

Sobre os incentivos fiscais dadas às empresas da J&F, holding que controla a JBS, Azambuja disse que esse benefício pode ser anulado, caso sejam comprovadas fraudes por parte do grupo empresarial.

Conforme explicou o governador, os fiscais da Secretaria da Fazenda estão realizando estudos, não só em relação aos incentivos da JBS, mas aos dados às 1.195 empresas. ''Existe uma CPI e tudo que foi fraudado será pedido ressarcimento'', finalizou o governador.

Os incentivos fiscais aos quais o governador se referiu foram o motivo da delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista e executivos da JBS. Os empresários disseram que, para receber esse benefício, tiveram de pagar valores milionários ao governador e seus secretários.

Além de Reinaldo Azambuja, outros dois governadores de MS, André Puccinelli (PMDB) e Zeca do PT (PT), também foram citados na delação, também pelo suposto esquema de propina. Todos negam as acusações.

CPI mista

Logo depois que Marun foi escolhido relator da CPI da JBS, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) abandonou a comissão. Ele acredita que a investigação está comprometida, já que o parlamentar sul-mato-grossense faz parte da tropa de choque do presidente Michel Temer (PMDB), um dos principais implicados pela delação do grupo empresarial.

Marun, por sua vez, garantiu que não está constrangido com o papel e que vai evitar o uso eleitoral da CPI.

Veja também