(67) 99826-0686

Barbosinha diz que fica na Sejusp até governador oficializar novo substituto

Secretário tem intenção de retornar à ALMS ainda neste ano; Coronel David deve substitui-lo

13 NOV 2017
Rodson Willyams
11h00min
Foto: Rodson Willyams

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, José Carlos Barbosa, afirma que, apesar de ter vencido o prazo à frente da pasta, permanece no cargo a pedido do governador Reinaldo Azambuja, do PSDB, que ainda estaria à procura de um novo nome para ocupar a função. No entanto, o secretário manifestou que deve voltar para a Assembleia Legislativa até o final deste ano.

Apesar de não confirmado oficialmente, ele deve ser substituído por Coronel David (PSC), que foi comandante da polícia militar durante a administração de André Puccinelli (PMDB). Prestes a deixar a pasta, Barbosinha afirmou que, enquanto secretário, não conseguiu realizar todos os desafios impostos em razão da omissão do Governo Federal, mas o Estado conseguiu avançar no setor da segurança pública com 'investimentos próprios'.

E que apesar do Governo Federal ter anunciado que investiu R$ 120 milhões em MS, o valor não impacta diretamente nas ações de segurança pública. "Esses investimentos foram mais para construções de presídios, o que é pouco. O desafio é deixá-los funcionando e a manutenção deles. Hoje, por exemplo, o efetivo da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal é diminuto, o Governo Federal está sucateando as instituições", pontuou o secretário.

Hoje, Mato Grosso do Sul possui 15 mil apenados, sendo que, deste total, seis mil são oriundos do tráfico de drogas. "Hoje nós arcamos com todos os custos, uma vez, que o Estado tem convênio com a União que autoriza o Estado a combater o tráfico. Só que Mato Grosso do Sul não trabalha só para Mato Grosso do Sul, trabalha para o restante do Brasil", pontua.

Sobre a permanência à frente da pasta, Barbosinha disse que o prazo que era até outubro passado acabou, mas que continua como chefe da Sejusp, atendendo a um pedido do governador. "Mas retorno para a Assembleia até o final do ano", finaliza.

Veja também