TJMS
re9
(67) 99826-0686

Aliança no segundo turno foi selada com 'acordos', defende Bernal

Prefeito garante que caso eleito, Marquinhos não terá nenhum dos investigados na Coffe Break participando de sua gestão

16 OUT 2016
Dany Nascimento
07h00min
Foto: André de Abreu

O prefeito Alcides Bernal (PP) rebateu as críticas dos vereadores de Campo Grande de que teria 'demonstrado que não houve o tão falado golpe político em sua cassação', já que se aliou a um de seus maiores 'rivais', Marquinhos Trad (PSD), que disputa segundo turno das eleições com Rose Modesto (PSDB).

Alcides, que ficou em terceiro lugar na disputa declarou que caminha agora na defesa da candidatura de Marquinhos, diz que prefere não dar ouvidos para as afirmações dos parlamentares. "Eu volto a repetir que o que for opinião deles não me interessa, o candidato que escolhi se comprometeu em dar continuidade em nossos projetos, dar continuidade no trabalho que venho fazendo e por isso, decidi que esse seria o melhor caminho".

O pepista destaca ainda que exigiu que caso seja eleito, Marquinhos não faça a nomeação de nenhum dos investigados na operação Coffe Break para participar de sua gestão. "Ele se comprometeu em não nomear nenhum vereador que aparece nas investigações da Coffe Break, nenhum daqueles que foram denunciados, que fazem parte desse grupo criminoso vai entrar".

Ao falar da família Trad, Bernal diz que acredita nas afirmações de Marquinhos, que se diz diferente do irmão Nelson Trad Filho. "O Marquinhos vive dizendo que não é o Nelsinho, que é diferente, que se o irmão cometeu crime, terá que arcar com as consequências. Se comprometeu em continuar com nosso trabalho, por isso decidi caminhar ao lado dele. Ele assumiu o compromisso de não colocar bandidos para administrar".

Para Bernal, o número de abstenção no primeiro turno das eleições, que chegou a 17,5% deve se multiplicar no dia 30 de outubro. "As pessoas demonstram o tempo todo que estão cada vez mais descrente, o número de abstenção comprova isso. Acredito que agora no segundo turno, teremos um número muito maior de abstenção".

 

Veja também