TJMS
re9
(67) 99826-0686

Carlão comemora vitória e diz que novo mandato será marcado por 'paz' com Executivo

O vereador reeleito acredita que com a 'queda' de Bernal, Campo Grande terá anos de paz

14 OUT 2016
Dany Nascimento
09h18min
Foto: Geovanni Gomes

Reeleito para cumprir o terceiro mandato como vereador de Campo Grande, Carlão (PSB) comemora a vitória e destaca que pretende dar continuidade ao trabalho desenvolvido nos 8  anos como parlamentar. O vereador diz que não se surpreendeu com o retorno à Casa de Leis e destaca que ficaria surpreso se perdesse as eleições 2016.

"Se eu perdesse dai sim seria inesperado, mas eu esperava a vitória pelo trabalho que desenvolvi nesses oito anos de mandato, ajudei mais de 10 mil crianças, tenho projetos que oferecem cadeiras de roda para aqueles que precisam, faço um trabalho pela população. Ficaria muito surpreso se não ganhasse as eleições. Sou um vereador que não gosta de faltar nas sessões, gosto sempre de usar a tribuna para falar o que vejo, tenho três faltas em 8 anos de mandato, isso porque uma vez estava em Brasília, outra vez estava doente e outra vez estava fazendo outra viagem como vereador. Fiz 8 mil indicações na Câmara, procuro sempre estar atuando, gosto disso", diz o parlamentar.

Questionado sobre a não reeleição do prefeito Alcides Bernal (PP), Carlão destaca que já esperava pela queda do pepista, considerando que ele deixou de realizar serviços essenciais na Capital. "Já esperava que ele não fosse ganhar as eleições, me surpreendi ainda com a quantidade de votos que ele teve ficando em terceiro lugar, mas isso ocorreu porque ele maquiou a cidade antes das eleições, por isso ainda conseguiu nos surpreender com a quantidade de votos".

Para o vereador, os próximos 4 anos que Campo Grande terá serão marcados pela 'paz', independente de qual seja o resultado no segundo turno, disputado entre Marquinhos Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB). "Acredito que sendo Marquinhos ou sendo Rose, teremos um Executivo de paz, de diálogo, porque sem diálogo não conseguimos trabalhar. A Câmara faz indicações, fiscaliza e o prefeito executa, precisamos disso para o bem de Campo Grande. Os buracos precisam ser tapados, os canteiros precisam ser limpos, a coleta de lixo tem que voltar a ser realizada normalmente".

Carlão conta ainda, que tentou contato com  o secretário da Seintrha (Secretaria de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Amilton Cândido, que não atendeu e nem retornou a ligação do parlamentar. "Liguei para ele para falar do problema da Rua Gerônimo de Albuquerque do bairro Nova Lima, que não está passando carro, mas ele não atende nem o celular do vereador,  não atende e nem retorna as ligações. Precisamos de pessoas interessadas em resolver o problema da população".

Além de dar continuidade aos projetos, Carlão garante que vai solicitar investigações de diversos atos do prefeito Alcides Bernal, que teria dado 'um tiro no pé' ao se aliar à Marquinhos no segundo turno. "Ele queimou a língua dele se aliando ao Marquinhos, ele dizia que era uma família que tinha articulado contra ele, mas isso será tese da minha defesa nas acusações que ele faz. Ele conseguiu provar que caminha de acordo com as vontades dele, como fez durante todo o mandato como prefeito".

Sobre a campanha para redução do número de vereadores, apresentada pelo vereador eleito pela primeira vez, Vinicius Siqueira (DEM), Carlão se posiciona contra e afirma que o 'novato' precisa saber como é realizado o trabalho de um vereador, antes de defender a redução.

"Eu cheguei aqui em 1982, Campo Grande tinha 21 vereadores, ele não conhece Campo Grande, não sabe ainda o que é ser vereador, ainda não sofreu como vereador, mostra que chega à Casa despreparado. Eu sou contra porque eu sei o que é dormir debaixo de lona, eu sei o quanto sofre a população e com seus representantes, conseguem ajuda", diz o vereador.

 

Veja também