(67) 99826-0686

Reforma da previdência será votada antes do recesso e deputados aguardam sindicatos

Projeto prevê aumento da contribuição de 11% para 14%

8 NOV 2017
Dany Nascimento e Airton Raes
13h00min
Foto: André de Abreu

Os deputados estaduais de Mato Grosso do Sul pretendem votar o projeto de reforma da previdência antes do recesso parlamentar, com objetivo de reduzir o déficit de mais de R$ 83 milhões da previdência. Com a aprovação da reforma, os servidores públicos estaduais que contribuem por mês com 11%, passariam a contribuir com 14%. 

A expectativa é votar a proposta no início do mês de dezembro. Segundo os parlamentares, o projeto ainda não foi encaminhado para a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e a Casa de Leis ficou disponível para os sindicatos realizarem reuniões para discutir a proposta, mas até o momento, nenhum encontro foi realizado.

O deputado do Partido dos Trabalhadores, Amarildo Cruz convocou uma audiência pública na Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), mas o dia exato ainda não foi agendado. O líder do governo na Casa, deputado Rinaldo Modesto (PSDB) afirmou que participou de uma reunião com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), acompanhado do presidente da Assembleia, Junior Mochi (PMDB), e de um técnico do Banco do Brasil destacando a importância da aprovação da reforma no Estado.

“Hoje nos reunimos com o governador, eu e o presidente Junior Mochi e um técnico do Banco do Brasil, que apresentou um estudo mostrando a necessidade da reforma. Há 10 anos a relação entre os aposentados com os servidores que contribuíam era de 45%, hoje está paritário. O rombo da previdência estava entorno de R$ 1 milhão. Durante 35 anos eu contribuo com a previdência, mas no futuro quem vai contribuir para a minha?”, disse Modesto.

Hoje, a previdência estadual conta com 64 mil contribuintes, com 22 mil inativos (aposentados). De acordo com Rinaldo, o aumento da contribuição já está como certo. “O aumento da contribuição já está como certo, já é uma lei federal, o governo mandou medida provisória aumentando a contribuição”.

O deputado Flavio Kayatt (PSDB) acredita que será mais fácil aprovar a proposta apresentada no Estado, do que a proposta que será analisada no Congresso Nacional. “Acho que será mais fácil aprovar aqui a reforma, do que no Congresso. Devido a situação que hoje se encontra o Brasil, os estados e municípios devem tomar essa atitude porque se não a situação vai ficar inviável. Antes, quando os cálculos da previdência foram feitos, a expectativa média era de 55 anos, hoje já está em 76. Já que estamos vivendo mais, é necessário pagar mais”.

Veja também