TJMS
re9
(67) 99826-0686

Maior aliado de Cunha, Marun ficou triste e surpreso com prisão de ex-presidente da Câmara

Deputado de MS diz que não poderá ir vê-lo agora por conta de compromissos

19 OUT 2016
Thiago de Souza
20h04min
Marun foi maior defensor político de Eduardo Cunha Foto: Agência Brasil

Maior defensor político de Eduardo Cunha, o deputado federal por Mato Grosso do Sul, Carlos Marun (PMDB), disse estar triste e surpreso com a prisão do ex-presidente da Câmara e também que não conversa com o ex-colega de bancada, desde 13 de setembro.

Marun emitiu nota à imprensa, logo após a prisão de Eduardo Cunha, pela Polícia Federal, que o levou para Curitiba, onde se concentra a força-tarefa da Operação Lava Jato.

"Não nego que a mesma [prisão de Eduardo Cunha] me entristece e surpreende, até porque estava correndo o prazo concedido para apresentação da defesa.

O peemedebista garantiu que não vai a Curitiba nos próximos dias visitar Eduardo Cunha por conta de compromissos em MS. Mas disse que se for permitido, vai manter contato com preso.  

O deputado diz que a situação de Cunha agora é eminentemente jurídica. ''Trata-se agora de uma questão exclusivamente jurídica a ser discutida no âmbito do processo, cabendo ao Ministério Público e ao Poder Judiciário sustentarem as razões de seus pleitos e decisões. E à defesa, esgrimir seus argumentos". 

Veja também