(67) 99826-0686
PMCG Janeiro

Para Bernal, decisão da Justiça sobre processo de cassação sai ainda hoje

Mandado de segurança

11 NOV 2013
Juliene Katayama e Ana Rita Chagas
09h10min
Foto: Geovanni Gomes

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), espera que a Justiça decida ainda hoje (11) o pedido de mandado de segurança para suspender os trabalhos da Comissão Processante que investiga possíveis irregularidades em contratos emergenciais firmados entre a prefeitura e empresas prestadoras de serviço.

Segundo Bernal, só a Justiça vai dar um ponto final nessa história. "Não pode o voto dos vereadores valha mais que o voto dos eleitores, hoje esperamos que saia a decisão no Poder Judiciário, pondo fim a essa arbitrariedade que está acontecendo na Câmara Municipal de Campo Grande que visa cassar nosso mandato", afirmou o prefeito na manhã desta segunda-feira, no programa "Cafezinho com prefeito", na FM Cidade 97.

No entanto, apesar da esperança do prefeito em ter uma decisão judicial a seu favor, ainda hoje, o advogado de defesa, Jesus de Oliveira Sobrinho, disse que não há como prever quando o juiz decidirá. "Ele deve examinar preferencialmente, dada à urgência do caso", explicou o advogado.

Bernal impetrou com mandado de segurança na última sexta-feira (08), depois da Comissão Processante decidir pela continuidade das investigações contra o Chefe do Executivo. "Nossa equipe técnica jurídica ingressou com processo para sustar essa Comissão Processante composta por adversários meus que não levam em conta nada do que apresento, provas, documentos de todos os atos realizados. Mas eles não veem, fazem de conta que não enxergam e já têm anunciado por ai que querem cassar nosso mandato", criticou o prefeito.

A Comissão Processante começou a investigar as denúncias no dia 17 de outubro depois uma votação de 21 a oito pela abertura. O prazo final será no dia 17 de janeiro, mas os vereadores querem finalizar antes do recesso, previsto para o dia 20 de dezembro.

Depoimentos - Na quarta-feira (13) começam as instruções. Primeiro serão ouvidos os donos das empresas Salute - responsável pela entrega de alimentos aos Ceinfs (Centro de Educação Infantil) -, Mega Serv - contratada para fazer limpeza dos postos de saúde - e Já Gás - que forneceu botijõesde gás após ter perdido o processo licitatório. Todas firmaram contratos emergenciais.

Além destes três empresários citados tanto por Bernal quanto pela comissão, também falará o proprietário da MDR Distribuidora de Alimentos, Mamed Dib, que foi o denunciante ainda na CPI da Inadimplência cujo relatório final culminou na Processante.

Depois será a vez dos secretários Ivandro Corrêa Fonseca (Saúde), Kátia Castilho (Agetran - Agência Municipal de Trânsito), Thaís Helena (Assistência Social), Ricardo Ballock (Administração), José Chadid (Educação), Wanderlei Ben Hur (Finanças e Orçamento) e Gislaine Barbosa (Central de Licitações).

O último a ser ouvido será o prefeito no dia 25 de novembro.

Veja também