(67) 99826-0686

Para retribuir 'dobradinha', Temer oferece almoço para ministros e congressistas

Na quinta (7), Maia convidou presidente para almoço que serviu rabada e dobradinha. Reunião no Jaburu ocorre um dia após PGR denunciar cúpula do PMDB no Senado e Geddel ser preso

9 SET 2017
Globo
16h58min
Foto: Alessandra Modzeleski

O presidente Michel Temer recebeu ministros e congressistas para um almoço no Palácio do Jaburu neste sábado (9) para retribuir a Rodrigo Maia (DEM-RJ) o cardápio de dobradinha e rabada oferecido na residência oficial da Câmara na última quinta (7), ao final do desfile de 7 de Setembro.

Além de Maia, também foram convidados para o almoço de Temer no Jaburu o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), os ministros Henrique Meirelles (Fazenda), Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Torquato Jardim (Justiça) e Helder Barbalho (Integração Nacional), e o deputado Heráclito Fortes (PSB-PI).

Eunício foi o primeiro convidado a chegar neste sábado ao almoço do Jaburu, por volta das 13h. Os convidados começaram a deixar o local por volta das 16h.

O encontro na residência oficial de Temer, fora da agenda oficial, ocorre um dia após a Polícia Federal (PF) ter prendido Geddel Vieira Lima, ex-ministro da articulação política e amigo pessoal do presidente da República.

Um dos ministros mais influentes no Palácio do Planalto nos primeiros meses do governo Temer, Geddel Vieira Lima voltou para o Complexo Penitenciário da Papuda, nos arredores de Brasília, por ordem da Justiça Federal. O peemedebista foi preso preventivamente na manhã desta sexta (8), em seu apartamento em Salvador, e foi transferido no mesmo dia para a capital federal.

A prisão do ex-ministro foi decretada depois de a Polícia Federal apreender R$ 51 milhões que supostamente seriam de Geddel.

Também nesta sexta (8), a cúpula do PMDB no Senado também foi alvo de uma denúncia apresentada pela procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

O chefe do Ministério Público denunciou por organização criminosa os senadores peemedebistas Edison Lobão (MA), Jader Barbalho (PA), Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Valdir Raupp (RO), além dos ex-senadores José Sarney e Sérgio Machado.

Embora a sexta-feira tenha sido de revés para integrantes do núcleo político próximo a Temer, à noite a assessoria do Palácio do Planalto divulgou um vídeo nas redes sociais em que o presidente faz um balanço positivo da semana. Na gravação, ele diz que a semana foi repleta de "boas novas".

“No Brasil, a semana foi repleta de boas novas, notícias que confirmam a nossa caminhada na recuperação da economia”, diz o presidente no vídeo, citando diversos dados econômicos.

Em um dos trechos do vídeo, ele afirma que governar é “não pensar em si”, mas “no futuro das pessoas e do país”.

“Governar é, mesmo diante de momentos adversos, não se omitir, enfrentar a realidade, é não pensar em si, mas no futuro das pessoas e do país”, enfatizou.

Nova denúncia

Apesar da tentativa de demonstrar no almoço deste sábado no Jaburu um clima de confraternização, paira sobre a residência oficial, ao longo de toda a semana, a apreensão de que o procurador-geral da República apresente nos próximos dias uma segunda denúncia contra o presidente da República.

Em junho, Janot acusou Temer formalmente por corrupção passiva. No entanto, o peemedebista conseguiu barrar no plenário da Câmara dos Deputados o prosseguimento da denúncia para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Para elaborar a denúncia, Janot baseou-se nas delações dos donos e executivos da J&F, grupo que controla o frigorífico JBS. O acordo, no entanto, poderá ser rompido após a revelação de novos áudios que indicam que os delatores omitiram dos investigadores práticas de crimes.

Apesar disso, há a expectativa no mundo político e jurídico de que o procurador-geral apresente uma nova acusação contra Temer antes de deixar o comando do Ministério Público no próximo domingo (17). Neste caso, os deputados terão que voltar a analisar se autorizam a abertura de uma ação penal para investigar o presidente.

 

Veja também