re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Riedel confirma que governo vai cortar comissionados e analisar eficiência de secretarias

Servidores comissionados serão estudados pela eficiência e resultado

30 NOV 2016
Rodson Willyams e Airton Raes
11h02min

O Secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, esteve na manhã desta quarta-feira (30), conversando com deputados estaduais sobre a situação econômica do Estado na Assembleia Legislativa. O secretário antecipou que não descarta fazer o corte de servidores comissionados e ainda estuda a possibilidade de reduzir autarquias e secretarias. Mas faz uma ressalva: 'tudo vai depender da eficiência'. 
 
Riedel afirmou que os servidores não precisam ficar com medo de ocorrer demissão em massa, mas afirmou que deve cortar gasto com pessoal em até 30%, referindo-se a reforma administrativa anunciada pelo governador Reinaldo Azambuja, do PSDB. "Vamos analisar com lupa, a eficiência de cada comissionado. Não haverá demissão em massa, mas vamos exonerar servidores aqui e ali conforme a eficiência e os resultados".

O secretário ainda afirmou ao TopMídiaNews, que também analisa a possibilidade de mexer na estrutura do governo. "Existem secretarias e autarquias, aquelas em que for comprovado a falta de eficiência e resultado, podem ser revistas". Riedel ainda reforçou que o governo ainda vai rever todos contratos vencidos e que estão para vencer, como forma de economia. 

Eduardo Riedel, secretário de Governo e o deputado Rinaldo Modesto. Foto: Airton Raes. 

Orçamento 

Riedel também tratou outro ponto considerando importante com os parlamentares, relacionado as emendas. O valor que cada deputado terá é o mesmo aplicado neste ano, no valor de R$ 1,5 milhão. As emendas devem ser investidas nas principais áreas, como Saúde, Educação, Assistência Social, Esporte e Cultura. 

Ele ainda ressalta que o governo deve manter os cortes no próximo ano. "O ano que vem vai ser difícil e nós trabalhamos com a visão de receitas reduzidas. Com isso, vamos manter os cortes de gastos, e evitar o que já acontece em outros estados pelo Brasil", finalizou. 

Veja também