Corrida Cassems
studio center
(67) 99826-0686

Senadores de MS estão entre os que menos faltaram nas sessões do Senado

Moka teve uma falta, Simone três e Chaves apenas seis

9 JAN 2017
Airton Raes
11h26min
Foto: Arquivo Top Mídia News
politica-interna1
semana do transito

Os senadores de Mato Grosso do Sul estão são os que acumularam menos faltas durante as sessões do Senado em 2016. O senador Waldemir Moka (PMDB) é um dos três senadores que tiveram apenas uma falta durante o ano. A senadora Simone Tebet (PMDB) teve apenas três ausências. O senador Pedro Chaves (PSC) faltou há seis sessões. Levantamento foi realizado pelo Congresso em Foco.

Dos 81 senadores, o  senador Regue (sem partido-DF) foi o único a comparecer a todas as sessões reservadas a votação em 2016. Moka, junto dos senadores Eunício Oliveira (PMDB-CE), José Pimentel (PT-CE), foram os únicos três a se ausentar de apenas uma sessão.

Das 91 sessões reservadas a votação, Simone Tebet teve duas ausências justificadas e uma não justificada. O senador Pedro Chaves tomou posse em maio, após a cassação do mandato de Delcídio do Amaral. Das 59 sessões, se ausentou de seis, sendo uma justiçada e cinco sem justificativas.

Os dois senadores que mais se ausentaram das sessões de 2016 enfrentaram problemas de saúde ao longo do ano: Jader Barbalho (PMDB-PA), que somou 62 faltas, e Rose de Freitas (PMDB-ES), que faltou 30 vezes. Ambos se valeram de licenças de saúde. Ainda assim, Jader foi o campeão em ausências não justificadas. O senador deixou 18 faltas acumuladas sem justificativa.

O levantamento considerou as 91 sessões deliberativas realizadas entre o início de fevereiro e 8 de dezembro. Depois dessa data, o Senado realizou outras duas reuniões reservadas a votação, mas os dados não estavam disponíveis até o fechamento da reportagem. Ao todo, nas 91 sessões contabilizadas, os senadores acumularam 883 faltas, o que representa um índice de 14%, percentual equivalente ao contabilizado em 2015. Dessas, 656 foram justificadas – ou seja, de 74%, apenas 2% a menos que no ano anterior. As outras 232 não tiveram qualquer tipo de explicação dos parlamentares.

Veja também