(67) 99826-0686
PMCG Janeiro

Ex-gestores de saúde do município participam de oitiva na CPI da Saúde

CPI da Saúde

13 NOV 2013
Aline Oliveira
19h30min
Presidente da CPI da Saúde, Amarildo Cruz Foto:Assessoria de Imprensa

Será realizada amanhã (14), mais uma oitiva da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), da Assembléia Legislativa, a partir das 14 horas, no plenário Deputado Júlio Maia. Foram convocados para prestar esclarecimentos, a ex-presidente da Comissão de Licitações da Prefeitura Municipal, Mara Iza Arteman, a chefe de divisão de Convênios do Fundo Nacional de Saúde, Raquel Bambokian e a ex-coordenadora do Grupo Gestor do Projeto de Desenvolvimento e Implantação do Sistema de Gestão Integrada da Saúde, Maria Cristina Abrão Nachif.

 

De acordo com o deputado estadual Amarildo Cruz (PT), presidente da CPI da Saúde em MS, a convocação das três pessoas foi definida pelos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito devido à necessidade de confrontar informações e depoimentos relacionados ao processo licitatório do contrato do Gisa. “Precisamos esclarecer algumas dúvidas que surgiram durante a análise da documentação relacionada a esse sistema que custou quase R$ 10 milhões para os cofres públicos”, destacou.

 

O Gisa foi contratado em 2008 pela Prefeitura Municipal para marcar consultas nos postos de saúde por telefone, agilizar consultas e exames, além de informatizar toda a rede pública de saúde na Capital. Orçado em quase R$ 10 milhões, o sistema deveria ter sido concluído em um ano, entretanto, até dezembro de 2012, 95,4% da implantação física tinha sido realizada e 96% do projeto foi pago, o equivalente a R$ 9,8 milhões.

 

O sistema de Gerenciamento de Informações em Saúde possui 12 módulos, mas apenas quatro deles estariam funcionando, inclusive de forma precária. Naim Alfredo Beydoun, responsável pela empresa que implantou o Gisa, foi ouvido pela CPI da Saúde e declarou na ocasião que o sistema já está todo implantado e que precisaria de apenas alguns ajustes para operar com capacidade total.

 

Já a atual administração garante que a rede da Prefeitura Municipal não suporta a capacidade do software. O ex-secretário Leandro Mazina declarou aos deputados, quando foi ouvido pela CPI, que o sistema está praticamente implantado.

 

 Fonte: Assessoria de Imprensa

Veja também