zé ramalho
RACIONAIS
(67) 99826-0686

Brasil vence a Sérvia e fecha 1ª fase da Liga Mundial em segundo

Campeões olímpicos contam com boas atuações de Lucão e Wallace para vencer atuais campeões da Liga Mundial

19 JUN 2017
Globo Esporte
08h06min
Foto: Globo

Nem parecia que era uma reedição da última decisão da Liga Mundial. Já classificados para a fase final, Brasil e Sérvia fizeram um duelo com clima de amistoso em Córdoba, neste domingo. Comandados por Lucão e Wallace, os campeões olímpicos se recuperaram da derrota para a anfitirã Argentina e venceram por 3 sets a 1 - parciais de 25/22, 25/16, 17/25 e 25/23. O resultado fez o Brasil fechar a primeira fase da Liga Mundial na vice-liderança da classificação, atrás apenas da França. Na próxima fase, os adversários serão Rússia e Canadá.

A partida deste domingo marcou o reencontro entre Brasil e Sérvia desde a final da Liga Mundial do ano passado. Como os times já entraram em quadra classificados para a fase final, na Arena da Baixada, em Curitiba, entre 4 e 8 de julho, a última partida da primeira fase virou um treino de luxo. O Brasil aproveitou bem para afastar a desconfiança após a derrota para a Argentina. O técnico Renan Dal Zotto manteve os titulares campeões olímpicos: Bruninho, Lucão, Maurício Souza, Maurício Borges, Lucarelli e Wallace. A diferença foi a concentração dos brasileiros. Em vez de muitos erros - principalmente na recepção -, a seleção brasileira apresentou um bom volume de jogo, sacou bem e montou um bloqueio forte.

Com o vitória, o Brasil ultrapassou a Sérvia na classificação, fechando a primeira fase da Liga Mundial em segundo lugar, atrás apenas da França. Agora os comandados de Renan voltam ao Brasil e se preparam para a fase final, que será disputada entre os dias 4 e 8 de julho, na Arena da Baixada, estádio do Atlético-PR, em Curitiba. Cabeça de chave do Grupo 1 por ser anfitriã, a seleção encara Rússia e Canadá por uma vaga na semifinal. No outro grupo, estão França, Sérvia e Estados Unidos. Os dois primeiros colocados de cada chave avançam para a semi.

O jogo

O Brasil manteve os titulares da derrota contra a Argentina, com mudança apenas no líbero - Thales revezou com Tiago Brendle. Só que desta vez os campeões olímpicos entraram em quadra muito mais atentos e assumiram a liderança do placar desde o começo. A Sérvia até chegou a um empate montando um bloqueio forte (6 a 6), mas o ataque verde-amarelo encaixou bem. Lucão e Wallace foram as principais armas ofensivas do Brasil. O oposto fechou o set justamente com um ataque: 25 a 22. O saque foi outro ponto forte do time na parcial, rendendo elogios do técnico Renan.

A concentração do Brasil não diminuiu no segundo set. O time até melhorou o volume de jogo e rapidamente abriu grande vantagem. Maurício Souza deu show no saque com cinco aces. Lucão também puxou o crescimento do bloqueio verde-amarelo. Wallace manteve a efetividade no ataque. Assim, os campeões olímpicos chegaram a abrir 12 pontos (19 a 7) e fecharam em um erro sérvio em 25 a 16.

Só que o jogo virou no terceiro set. A Sérvia mudou de postura, apostou em um saque forte e liderou a parcial. Errando muito - principalmente no ataque -, o Brasil viu os adversários dispararem no placar (19 a 11). O técnico Renan mudou algumas peças, colocou Evandro e o levantador Raphael em quadra, mas já era tarde para uma reação: 25 a 17 para os sérvios.

O Brasil equilibrou novamente o jogo no quarto set. Os erros ainda apareceram, mas o bloqueio e o saque voltaram a funcionar. Os times se revezaram na liderança do placar, sem que nenhum abrisse grande vantagem. Na reta final, os campeões olímpicos se mostraram muito atentos e conseguiram a vitória na parcial por 25 a 23 e no jogo por 3 a 1.

Búlgaria perde da Argentina, e EUA ficam com a última vaga

No último jogo da fase de classificação, a seleção da Argentina aproveitou mais uma vez o fator casa e venceu a Bulgária, por 3 sets a 1, com parciais de 25/16, 25/21, 23/25 e 25/19. O resultado eliminou os búlgaros, que precisavam da vitória para avançar à fase final da Liga Mundial. Com isso, a última vaga entre os seis melhores colocados ficou com os Estados Unidos, que se juntaram a Brasil, França, Sérvia, Rússia e Canadá.

 

Veja também