TJMS
re9
(67) 99826-0686

Cielo critica investimento da CBDA e teme futuro da natação: 'Sem projeto'

Campeão olímpico de 2008 pede que a verdade apareça com relação aos escândalos na entidade e isentou resultado dos atletas no Rio: 'Não é tão ruim quanto parece'

13 OUT 2016
Globo Esporte
09h50min
Foto: Satiro Sodré / SSPress

A natação brasileira saiu dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro sem conquistar nenhuma medalha. Os melhores resultados foram dois quintos lugares, com João Gomes nos 100m peito e o revezamento 4x100m livre. Apesar disso, o time nacional bateu recorde de finais, chegou a oito decisões, superando as seis alcançadas em Pequim 2008. Para Cesar Cielo, maior nadador da história do país, o investimento foi feito de maneira equivocada:

- Com relação a Olimpíada, se você olhar na história é natural que o país sede coloque mais dinheiro. A gente fez isso, mas não de forma certa. Começamos a colocar dinheiro aos 45 do segundo tempo. Não teve projeto. A gente soube em 2009 que ia ser sede, e esperamos 2014 para investir. Aí não tem o que fazer. A gente precisa mudar essa política de treinamento a longo prazo - disse, em entrevista realizada na quarta-feira, durante o lançamento de seu projeto "Novos Cielos", em Santa Bárbara D´Oeste, sua cidade natal, no interior de São Paulo.

O nadador de 29 anos está sem competir desde abril, quando terminou em terceiro lugar nos 50m livre do Troféu Maria Lenk e ficou sem a vaga na Olimpíada do Rio. O campeão olímpico de 2008 não garantiu que voltará a disputar algum torneio. Deixou claro em vários momentos, porém, sua saudade de pular na piscina.

Para Cielo, a transição de gerações ainda é o maior problema da seleção brasileira. Segundo ele, os atletas dos Jogos de 2016 precisam ser os mesmos de 2020, pois ainda não há grandes nomes surgindo:

- A gente teve de positivo o recorde de finais. É um grupo relativamente jovem, foi um resultado que faltou a medalha para ficar tranquilo. Mas não é tão ruim quanto parece. Não estou com a sensação que estamos no fundo do poço. A natação está em uma fase de transição, mas a nossa transição de gerações não é eficiente. Se eu decidir ir para os Jogos Olímpicos de 2020, vão ser outros franceses, os caras estão sempre se renovando. Sempre aparecendo gente nova - disse.

A natação tomou conta do noticiário nacional há algumas semanas. O Ministério Público Federalpediu o afastamento imediato do presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes, por conta de superfaturamento na compra de materiais. Cielo explica que os atletas querem esclarecimentos:

- Com relação à CBDA, eu sei o que a imprensa divulga, não tenho a informação de nada, tudo ocorre em sigilo. A gente quer que a verdade apareça. Não é querer afastar ninguém, nem chutar o pau da barraca, é querer que a verdade apareça. Todos os nadadores sempre questionaram e vamos continuar questionando. A gente quer esclarecimentos. Acima de tudo é isso, a natação está passando por um período político complicado. Esse processo pode mudar o curso da eleição. Não vou apoiar ninguém - disse, se referindo à eleição para a presidência da entidade, que deve colocar Ricardo Moura, sucessor de Coaracy Nunes, no poder desde 1988, contra Miguel Carlos Cagnoni, presidente da Federação Aquática Paulista.

Cesar Cielo tem, no currículo, três medalhas olímpicas: ouro nos 50m livre e bronze nos 100m livre nos Jogos de Pequim 2008. Em Londres 2012, foi bronze nos 50m livre. Além disso, tem seis ouros em Campeonatos Mundiais de piscina longa: o tricampeonato dos 50m livre (2009/11/13), o bi dos 50m borboleta (2011/13) e o título dos 100m livre (2009).

 

Veja também