TJMS
re9
(67) 99826-0686

Cris Cyborg garante deixar o UFC se não tiver divisão nova para seu pes

Brasileira, com apenas uma derrota em 18 lutas na carreira, ainda tem mais duas no contrato com a organização, e não descarta ida para Rizin e Bellator, por exemplo

1 DEZ 2016
Globo Esporte
11h16min
Foto: Getty Images

A luta maior da brasileira Cris Cyborg no MMA não tem sido dentro do cage, mas fora dele. Ela tenta a todo o custo que a maior organização do esporte, o UFC, crie novas divisões entre as mulheres, já que hoje existem apenas duas - peso-galo (até 61kg) e peso-palha (até 52kg). Cyborg, que costuma lutar nos penas (65,7kg) no Invicta, admite deixar o UFC caso em breve não abram uma categoria que comporte o seu peso. Outros eventos já estão no horizonte da brasileira, como revelou em entrevista ao diário peruano “El Comercio”.

- Vou continuar lutando para abrir mais divisões (no UFC). Se não tiver uma divisão no UFC, vou para alguma empresa como Rizin, Bellator ou outro evento na minha divisão. Vou continuar a lutar por ela. Quero ficar em 145 libras (65,7kg), sei que não é bom para a minha saúde ter que descer para 140 libras (63,5kg). A principal coisa é que existem duas lutas na minha categoria. Vou ficar e ver se o UFC abre minha divisão. Se não fizer isso, vou (embora) - disse Cyborg, que revelou ter mais duas lutas nos 65,7kg no contrato com o UFC, em que lutou duas vezes no peso casado de 63,5kg.

Apesar de ciente dos riscos à saúde com a perda de muito peso, Cris Cyborg ressalta que a cabeça hoje está apenas em lutar. Descer para 63,5kg era a única forma de entrar no UFC.

- Me preparei por quase três anos para lutar em 145 libras (65,7kg). Depois, a minha equipe viu poderia lutar com até 140 libras (63,5kg) e, finalmente, fiz isso para estrear no UFC. Foi muito difícil chegar nesse peso, mas era a única oportunidade de entrar no UFC. Acho que no momento só penso em lutar, não há muito espaço em minha mente para outras coisas.

O nome de Ronda Rousey, naturalmente, não ficou de fora entre os assuntos da entrevista. Cyborg não vê justiça no fato de a americana lutar contra a brasileira Amanda Nunes pelo cinturão dos galos. Para ela, agora basta fazer provocações para ganhar uma chance.

- Não acredito (que seja justo ela lutar pelo cinturão). Ela passou um ano fora e agora há muitas meninas que vêm antes na disputa por uma chance pelo cinturão. Mas o MMA mudou: agora, se você falar muito, você começa a lutar pelo título. Muitas pessoas gostam do meu amigo (Ronaldo) Jacaré e acha que ele merece lutar pelo cinturão, como Demian Maia e também outros caras. Eles merecem lutar pelo título, porque eles ganharam dentro do octógono.

Com 17 vitórias e apenas uma derrota na carreira, Cris Cyborg também se vê lutando em outras modalidades de luta antes de se aposentar. Por enquanto, planeja voltar ao cage a partir de fevereiro do ano que vem.

- Me mantive ocupada lutando MMA, mas antes de me aposentar gostaria de lutar “muay thai” novamente e talvez fazer uma ou duas lutas de boxe - completou.

 

Veja também