TJMS CIJUS
vivi
(67) 99826-0686

Curry se desentende com chefe de patrocinadora por causa de Trump

Armador do Golden State Warriors fica bem insatisfeito com elogios de executivo da Under Armour à política do atual presidente dos Estados Unidos

9 FEV 2017
Globo Esporte
11h08min
Foto: Getty Images

Depois de LeBron James se manifestar contra a política de imigração de Donald Trump, Stephen Curry também se mostrou contrário às atitudes do presidente americano. Nesta quarta-feira, o armador do Golden State Warriors discordou de uma opinião e se desentendeu publicamente com Kevin Plank, chefe-executivo da Under Armour, sua principal patrocinadora pessoal.

Na terça, Plank descreveu Trump como um "real asset" (expressão que em inglês significa algo como um "verdadeiro valor") para o país. No dia seguinte, em entrevista aos jornal "The San Jose Mercury News", Curry respondeu.

- Eu concordo com essa descrição, se você tirar o "et" (neste caso, a expressão ficaria "real ass" (o que pode ser traduzido como um "verdadeiro burro").

Curry é um dos atletas mais bem pagos pela empresa de material esportivo. O jogador disse que passou o dia conversando com representantes da Under Armour "tentando entender o que estava acontecendo e o que todos pensavam sobre o assunto".

O comentário do executivo gerou polêmica nas redes sociais na internet, e muita gente escreveu mensagem falando em boicotar a marca. Após o desentendimento, tanto Kevin Plank quanto Stephen Curry divulgaram comunicados oficiais para falar sobre o caso.

- Nós nos envolvemos em diplomacia, não em política. Acreditamos em defender o comércio justo, uma política inclusiva de imigração que acolhe os melhores e mais brilhantes e aqueles que procuram oportunidades na grande tradição do nosso país, e a reforma tributária que impulsiona a contratação para ajudar a criar novos empregos globalmente, em toda a América e em Baltimore (sede da empresa) - diz a nota da Under Armour.

Curry, que apoiou da candidata democrata Hillary Clinton na última eleição presidencial dos Estados Unidos e tem contrato com a Under Armour até 2024, sinalizou que pode até deixar a empresa se os ideais de ambas as partes não estiverem no mesmo caminho.

- Não há qualquer quantia de dinheiro, não há nada que eu não pularia fora, se não estiver alinhado com o que eu sou - deixou claro o armador dos Warriors.

 

Veja também