(67) 99826-0686

Sem apoio, promessas da luta regional perdem campeonatos e pedem ajuda

Campeão estadual de kickboxing perdeu lutas por falta de dinheiro

4 SET 2016
Alessandra Carvalho
09h30min
Foto: André de Abreu

Sem apoio financeiro adequado, as promessas do esporte regional acabam ficando prejudicadas. É o caso do campeão estadual de kickboxing, Gabriel Rodrigues Marques, 19 anos, que chegou a deixar de ir competir na Tailândia por falta de dinheiro, mesmo tendo sido convidado. Ele treina no Centro de Treinamentos das Moreninhas 2 e pede ajuda financeira para manter os custos do esporte.

Além do kickboxing, Gabriel prática muay thai e treina todos os dias durante quatro horas. Ele tem o apoio da família e recebe ajuda do treinador, Diego Sandim, de 30 anos.

Gabriel trabalha como controlador técnico e recebeu dois convites para ir competir na Tailândia. Ele não aceitou devido ao custo da viagem, cerca de  R$ 8 mil.   “ Meus tios e amigos torcem por mim. A minha mãe não tem coragem de ir na luta. Ela disse  que se assistir alguém me batendo vai querer entrar lá e me defender. Proteção de mãe. Em 2015 recebi convite para ir até na Tailândia e devido à condição financeira não pude ir. Foi uma pena. Quero chegar na UFC. Quero vencer, batalhar e chegar em primeiro lugar, Ninguém chega na luta querendo o segundo lugar. Lutar para vencer e conseguir”.

O próximo projeto é participar do maior evento de kickboxing em São Paulo, que deve acontecer em 2018. “Quero ganhar mais um pouco e me planejar para daqui há dois anos chegar lá. No período de luta corto chocolate, doces. Fico de sete a dez dias com uma alimentação regrada. Tenho 75 quilos e luto com lutadores que estão em média de 66 até a compatibilidade com o meu peso. Sonho em chegar onde está o Vitor Belfort, Anderson Silva e Wanderlei Silva. ”.

O treinador Diego Sandim participou de 20 lutas profissionais com 19 vitorias e um empate, e também sonha com o futuro dos alunos. “Tenho vários alunos e quatro deles se destacam. Eles são profissionais de alto rendimento. Ganhamos sete cinturões e temos patrocínios para suplementos. São Paulo me proporciona um rendimento bom para apoiar os meus alunos. O que precisamos é de incentivo para comprar luvas, aparador e vários equipamentos que utilizamos no dia a dia. E na verdade, ajuda um patrocínio para lutar.  

Quem quiser patrocinar os lutadores pode ligar no telefone (67) 993056700. 

Veja também