TCE 27/10 a 29/10
Menu
quinta, 28 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
Algo mais

Após acidente, campo-grandense cria projeto e ajuda pessoas que perderam a perna no Estado

Projeto 'Amigos do Joel' surgiu em 2010 e atua com o apoio da Apae

21 janeiro 2018 - 13h30Por Dany Nascimento

Em oito anos de existência, o projeto ‘Amigos do Joel’ já ajudou cerca de 1.980 pessoas que perderam a perna e precisaram de apoio em Mato Grosso do Sul.  Joel Lídio Faustino, 40 anos, resolveu criar o projeto para ajudar aqueles que, assim como ele, perderam a perna no trânsito.

Ele seguia de moto pela Avenida Cafezais, quando foi atropelado por um veículo no ano de 2009 e até hoje, a polícia não conseguiu identificar o condutor do carro que atropelou o motociclista, que perdeu a perna e foi encaminhado em estado grave para a Santa Casa da Capital. “Eu perdi a perna, dente e a face abriu. Me recuperei em quatro dias, foi um milagre de Deus e aos poucos, fui me recuperando. Um amigo meu, que perdeu a perna para uma picada de cobra me ajudou a conseguir uma prótese e foi aí que tive a ideia de montar um projeto para ajudar as pessoas, porque quem perde uma perna hoje fica sem rumo, sem saber para onde ir”, explica o motorista.

Os acidentados começaram a procurar Joel para ter uma prótese e voltar a andar. “Depois de um ano que eu estava com a minha prótese, as pessoas vinham me procurar para saber como eu consegui, o que eu tinha feito. Foi um dia conversando com amigos na Moreninha. O pessoal falava porque não coloca o nome do projeto ‘Amigos do Joel’, daí surgiu o nome do projeto”.

Joel relembra que visitava os acidentados nas residências e fez curso de capelania hospitalar, dando início à visitas em hospitais. “Comecei a visitar as pessoas nas casas, depois fui no hospital, mas eu tive problema  e começaram a me barrar. Fiz curso de capelania para entrar nas visitas, para dar apoio. Hoje o projeto é uma referência do doutor Marcos, que é ortopedista na Santa Casa. Fui visitar um paciente que chamava Eduardo, ele perdeu a perna também. Mostrei um vídeo que eu estava jogando bola e ele falou ‘se eu tivesse as duas pernas, eu também fazia isso’. Eu ergui a calça e ele chorou quando viu que eu também não tinha a perna. A maioria das batidas a pessoa perde a perna esquerda. De calça as pessoas não percebem que eu não tenho”.

Segundo Joel, Eduardo voltou a sorrir ao ver que Joel conseguiu se reerguer após o acidente. “O médico entrou perguntando porque ele estava tão feliz daquele jeito, porque as psicólogas tinham passado lá e ninguém conseguia fazer ele ficar bem. Daí ele mostrou a minha perna para o médico. Agora o doutor Marcos tem nosso projeto como ponto de referência. Ele pede para as pessoas me procurarem, ele é ortopedista”.

Apoio Apae

Conforme Joel, as primeiras próteses doadas machucavam a perna dos pacientes e o material foi modificado, dando uma comodidade maior para os pacientes. “No início tinha uma prótese mais pesada. Conseguimos a prótese pela Apae, logo no começo ela machucava muito a perna. Conversamos com Elizeu Dionísio que era vereador na época, ele fez a ponta de conversa entre nosso projeto e a Apae e conseguimos. Hoje o pessoal já ganha uma prótese melhor, que nem essa que uso aqui. Depois de uns seis meses, eles modificaram ela e conseguimos a nova. Quem tinha ganhado a pesada mudou e hoje estão com as boas. Boas entre aspas, tem muito o que melhorar, mas já ajuda bastante”.

 

Leia Também

Pista de skate das Moreninhas tem investimento de R$ 1 milhão do Governo de MS
Campo Grande
Pista de skate das Moreninhas tem investimento de R$ 1 milhão do Governo de MS
Agora vai? Tempo fecha em Campo Grande e anuncia novo vendaval
Campo Grande
Agora vai? Tempo fecha em Campo Grande e anuncia novo vendaval
Lula segue líder e vence Bolsonaro no 1º e 2º turnos, diz PoderData
Política
Lula segue líder e vence Bolsonaro no 1º e 2º turnos, diz PoderData
Ônibus acerta carro e deixa idoso ferido em Chapadão do Sul
Interior
Ônibus acerta carro e deixa idoso ferido em Chapadão do Sul