Menu
terça, 18 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Algo mais

Chinelos ajudaram estudante a ficar longe da crise financeira

14 dezembro 2015 - 08h33Por Kamila Alcântara

Desempregada, mãe de primeira viagem de um recém-nascido, estudante em época de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) do curso de psicologia e sem nenhuma experiência como autônoma. Em meio a um turbilhão de responsabilidades e sem nenhum dinheiro, Lucimara Ximenes, 29 anos, encontrou a solução para os seus problemas financeiros e sentimentais na produção de chinelos personalizados, que se tornaram um sucesso nas redes sociais.

Tudo começou entre fevereiro e março deste ano. Lu, como é chamada pelos mais chegados, estava como o filho Ricardinho de colo, havia sido demitida de uma instituição de ensino da Capital, sem o acerto salarial correto, e ainda não tinha com quem deixar o bebê e ir trabalhar. A depressão começou a querer "rondar". Mesmo sendo estudante de psicologia ela não sabia o que fazer diante dessa confusão, mas o apoio da família foi fundamental.

A mesa de trabalho divide espaço com o retrato do ensaio de formatura. Foto: Geovanni Gomes

“Ela estava com um filho pequeno, quase entrando em uma depressão, não tinha como trabalhar o dia todo e estava para concluir a faculdade. Mostrei uns vídeos na internet sobre os chinelos, mas foi necessário pegar o meu cartão de crédito e levá-la para comprar o material para iniciar a produção. Quase a obriguei fazer”, lembra Adriana Ximenes, 20 anos, irmã mais nova de Lu.

De início, foram compradas linhas, agulhas, dois chinelos e alguns enfeites. “Começar a fazer algo, do nada, é caro. Então eu comecei com dois chinelos. Fui umas duas vezes na loja de aviamentos pegar algumas dicas, mas rapidinho eu peguei os pontos e o jeito, hoje sou uma artesã”, brinca Lucimara.

O sucesso foi tamanho que as vendas cresceram, sendo necessário a criação da rede social da marca “Chinelos da Lucy – Customização” e a experiência foi transformando Luciamara em uma profissional da área. “Hoje eu participo de vários grupos de artesãs no Brasil inteiro, é lá que ficamos sabendo de novidades e aprendemos as novidades. Eu também já consigo ensinar as pessoas que estão começando nisso”, afirma a empreendedora.

Um dos modelos foi usado até como acessório de uma noiva - Foto: Reprodução Facebook

Hoje, Lu pode afirmar até que os seus produtos foram exportados, são sucesso até fora do Brasil. “Uma menina brasileira, que mora no Japão, ficou muito tempo namorando os chinelos na internet. Então, o marido dela veio passar férias aqui e ela aproveitou para fazer as encomendas. Ele voltou para o Japão com seis modelos, todos para presentes. Agora ela está esperando mais gente de lá fazer encomendar para pedir em uma compra só. Outra menina, que também morava aqui, mudou-se para Suécia e levou dois pares”, diz orgulhosa.


Transformação

O material base é o chinelo Havaianas, mas a novidade é tornar uma sandália rasteirinha delicada. “Esse modelo foi idealizado por uma das meninas do grupo nacional do Fecebook e se espalhou, mas cada artesã dá o seu toque. A procura está sendo muito grande e é bem difícil a cliente pedir um modelo que eu ainda não consiga fazer”.

Para quem for comprar, as encomendas devem ser feitas com antecedência. “Antes eu pedia até três dias para entregar. Com o final do ano, estou pedindo até seis dias para entregar. A demanda está grande”, alerta.

Totalmente artesanal, os produtos custam entre R$ 45 a R$ 85 e é necessário o pagamento da entrada. Para quem se interessou, os pedidos podem ser feitos pelo telefone (67) 9130-4657 e pela página do Facebook.